O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva criticou o futuro ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, em entrevista concedida por cartas à emissora britânica BBC. 

“[Moro] fez política e não justiça“, disse ao veículo jornalístico, que divulgou parte da conversa nesta quinta-feira (6.dez.2018).

Em outubro, o petista foi impedido de conceder entrevistas pessoalmente ou por telefone pelo STF (Supremo Tribunal Federal). Na ocasião, o presidente da Corte, ministro Dias Toffoli, proibiu a realização de uma entrevista do jornal Folha de S.Paulo. O plenário da Corte ainda não analisou o tema.

Na entrevista, Lula afirma que o veredito que o condenou foi politicamente motivado. “Eu fui condenado por ser o mas bem sucedido presidente da República e o que fez mais pelos pobres”, escreveu. O sindicalista está preso na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba (PR) desde 7 de abril, condenado a 12 anos e 1 mês pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.

Segundo o ex-presidente, o futuro ministro do governo Bolsonaro sabia que “se agisse de acordo com a lei teria que me absolver e eu seria eleito presidente“. Sobre as eleições, Lula disse ainda que “Bolsonaro só ganhou porque não concorreu contra mim“.

De acordo com a BBC, Lula afirmou que é inocente e que “está preso sem motivos“. Além disso, falou que, “se isso está sendo feito com um ex-presidente“, os direitos dos brasileiros estão em risco.

Em resposta às acusações de Lula, Sérgio Moro respondeu à BBC que o ex-presidente foi condenado por ser a “mente por trás do escândalo da Petrobras“. O futuro ministro disse também que cortes de apelação condenaram por unanimidade o sindicalista. “Isso não é uma decisão de 1 homem só“, afirmou.

O ex-juiz disse ainda que a nomeação como ministro não tem relação com a condenação de Lula. “Eu não sabia quem seria eleito presidente quando decidi a sentença, em 2017“, afirmou.

A entrevista foi concedida ao jornalista brasileiro Kennedy Alencar e faz parte do documentário de 3 partes “What Happened to Brazil…“, que será lançado em 12 de janeiro.

Nosso comentário: como já afirmei várias vezes, eu não me pauto por fanatismos ou preconceitos ideológicos. Realmente, cheguei a pensar da parca formação intelectual de Lula… Acompanhei a sua trajetótia governamental e depois de ler as impressões de grandes vultos intelectuais, como o Frei Beto, por exemplo, atestanto a superior inteligência de Lula e sua capacidade de diálogo entres as partes oposicionistas, fui-me rendendo à evidência de grande interlocutor político e governamental, capaz de afrontar as elites e os “mauricinhos” da politicagem. Assim foram nascendo seus grandes rivais capazes de o enterrarem sem apelo de qualquer espécie. O resultado aí está: um homem condenado sem qualquer comprovação criminosa.

E o senhor Moro ainda vem com gracinhas e espertezas… defendendo as suas teses completamente vazias da condenação de Lula. É muita sacanagem.. 

Como um juiz considerado por muitos como um grande baluarte da jurisprudência, consegue incriminar uma pessoa baseado no seu argumento “o ex-presidente foi condenado por ser a “mente por trás do escândalo da Petrobras“.

Alguém de bom senso consegue entender isso?

Alguém de bom senso consegue entender as escutas divulgadas no tempo da Dilma com autorização desse juiz sem ter qualquer admoestação?

Poderemos aceitar esses homens que se intitulam juizes, como defensores dos direitos humanos, dizendo que ninguém está acima da lei e eles próprios não têm ninguém acima deles que os coloquem no lugar que mereciam, ou seja, a perca da toga?

Não sou advogado de defesa de Lula, mas, até hoje, ninguém apresentou uma prova irrefutável que ele recebesse dinheiro ou seja lá o que for, como prova de corrupção ou lavagem de dinheiro, o que não acontece com muitos figurões, inclusive o senhor atual presidente da Repúplica, o senhor Aécio Neves e tantos outros que nada lhes aconteceu, incluindo as bobagens que agora são manchetes desse incapaz António Paloci. O que faz a ânsia de liberdade a troco de qualquer coisa, inclusive a honradez, que antigamente valia mais do que a maior fortuna monetária…

E para coroa de glória esse juiz é alcandorado à categoria de ministro. Se como juiz atropelou a jurisprudência, o que não fará como ministro? 

Será assim que o senhor Bolsonaro vai mudar o Brasil para melhor?…

Alberto Maçorano