É comum nos noticiários pelo mundo nos defrontarmos com notícias de desastres, homicídios, catástrofes, acidentes, guerras. 

É grande a quantidade de pessoas que perdem a vida em cada uma das mais diversas tragédias e, portanto, grande é também a tristeza de outro tanto que choram a saudade, e concluímos que vivemos num mundo de tristezas, pois nenhum de nós está livre de ser alvo tanto da violência que nos arrebata deste mundo, como da dor da separação.
É verdade que os Espíritos já nos informaram que estamos num planeta de provas e expiações, querendo dizer com isso que aqui predomina o mal. É evidente que temos momentos alegres, mas são nuances apenas. Como poderíamos ter felicidade plena se vemos pessoas embora não tenham nenhum parentesco ou relacionamento conosco sofrerem! Jesus disse amar ao próximo como a si mesmo, mas se não nos condoemos pelo nosso semelhante não estamos expandindo amor suficiente aos olhos de Deus!
Todas estas ocorrências que envolvem o ser humano estão dentro de um objetivo maior que é nossa evolução como espírito, e estes desencarnes que chamamos em massa, pois não se trata de apenas falecimento isolado ou morte natural, tem a ver com a mudança que o Planeta está passando, pois tudo tende a evoluir e a Terra também tem seu destino traçado.
Muitas destas pessoas que hoje parte, fatalmente não retornará a este Planeta, e quando reencarnar se deparará em um planeta com menos evolução, isto porque muitos dos desencarnantes são refratários ao progresso, um entrave, e outros tantos se comprazem no mal.
Devemos atentar para as palavras de Jesus e teremos claramente os acontecimentos futuro. Só o amor vale a pena. Mas como dizer que amamos, se ferimos, matamos, e na maioria das vezes apoiamos o mal?
As guerras existem desde os primórdios e nunca levaram a nada, a não ser sustentar a indústria do armamento. Os mesmos que deflagram guerras são os que pedem para que haja paz, o que é uma incoerência. Mas a vantagem de tudo isso é que todos nós somos transitórios aqui na Terra e a guerra pela qual lutamos se acaba no momento que retornamos ao plano espiritual, levando apenas o sentimento de amor ou ódio, que refletirá na nossa próxima vida, já que fomos criados pelo Pai para sermos eternos.
Certamente nos reencontraremos numa vida futura com quem se foi, mas a futura convivência harmônica, dependerá do amor que dedicamos nesta vida mutuamente.

Autor: Nilton Cardoso

Postado por Nilza Garcia, em 06/10/18, na Rede Espírita Spirit Book.