O que se deve observar no Espiritismo é a moral cristã.
Desde séculos houve muitas religiões, diversos cismas e numerosas
pretensas verdades. E tudo quanto foi erguido fora do Cristianismo
caiu, porque o Espírito Santo não o animava.

O Cristo resume o
que a moral mais pura e mais divina ensina ao homem, no tocante
a seus deveres, nesta vida e na outra. A Antigüidade, no que tem de
mais sublime, é pobre diante dessa moral tão rica e tão fértil. A
auréola de Platão empalidece ante a do Cristo e a taça de Sócrates
é muito pequena perante o imenso cálice do Filho do Homem. És
tu, ó Sesóstris! déspota do poderoso Egito, que te podes medir, do
alto de tuas pirâmides colossais, com o Cristo numa manjedoura?
És tu, Solon? És tu, Licurgo, cuja bárbara lei condenava as crianças
malformadas, que vos podeis comparar Àquele que disse face a
face com o orgulho: “Deixai vir a mim as criancinhas”? Sois vós,
pontífices sagrados do piedoso Numa, cuja moral exigia a morte
viva das vestais culpadas, que vos podeis comparar Àquele que
disse à mulher adúltera: “Levanta-te, mulher, e não peques mais”?
Não, não mais com esses mistérios tenebrosos que praticais, ó
sacerdotes antigos! Não mais com esses mistérios cristãos que são
a base desta religião sublime, que se chama Cristianismo. Diante
dEle todos vos inclinais, legisladores e sacerdotes humanos;
inclinai-vos, porquanto foi o próprio Deus quem falou pela boca
desse ser privilegiado que se chama Cristo.

-Lamennais

Postado por Benoni Martins, em 01/08/18, na Rede Espirit Book.