Será que tenho o direito de desejar um Feliz Ano Novo?

Perante tantas arbitrariedades e desatinos de toda a natureza, será que poderei desejar um Feliz Ano Novo?

Será que o efeito de desejar Feliz Ano Novo terá algum impacto quando:

  • Os políticos e governantes em Brasília auferem regalias de reis e príncipes, quando se passa fome em muitos rincões deste imenso Brasil?
  • a educação é tão precária que os professores precisam de trabalhar em dois ou três lugares para conseguirem viver com alguma dignidade, enquanto simples vereadores usufruem de situação financeira invejável, não compatível com a condição académica de alguns?
  • a saúde é só para os mais abastados com convénios médicos e a maioria da população espera meses por consultas, não tem os remédios necessários e por vezes se morre em filas de espera?…
  • a segurança atua arbitrariamente, matando indefesos e por engano, enquanto se rouba e mata sem dó nem piedade em assaltos, e se trafica a céu aberto impunemente?
  • os governos querem resolver a marginalidade através da violência policial, quando sabemos que “violência gera violência” e através dessa política não se chega a parte alguma?
  • existe uma gritante desigualdade social, quando cerca de 10% da população tem tudo ou quase tudo, enquanto a maioria vegeta e sobrevive, quando isso acontece, enquanto muitos sequer têm uma casa para habitar, um emprego para trabalhar…
  • se vive em palácios e ao lado seres humanos dormindo na rua sem a mínima preocupação dos governantes?
  • o núcleo familiar está em extinção, matando-se uns aos outros como quem bebe um copo de água sem a preocupação de responsáveis governamentais para incluir o ensino religioso nas escolas, preferindo ficar na zona de conforto para não ferir susceptibilidades…
  • quando não existe nenhuma política de saúde escolar, deixando toda uma população académica alimentar-se animalescamente sobressaindo uma população completamente obesa com todas as consequências nefastas de uma população infantil obesa? A obesidade é a epidemia do sec XXI.
  • se gastam rios de dinheiro para manter uma população carcerária com princípios completamente inúteis e ultrapassados colocando em dúvida a sua existência, pois as pessoas que para lá vão saem muito pior socialmente.
  • Os prevaricadores da sociedade deviam construir as suas própais construções no interir das matas, lavrando as terras para tirar o próprio sustento e tendo aulas de reabilitação social, ou seja, toda uma estrutura de professores altamente responsáveis de regeneração e integração social.
  • Como  posso ter a ousadia de desejar um Feliz Ano Novo se toda a estrutura governamental vai continuar exatamente como está?
  • O que posso desejar efetivamente é que cada um tenha a dinâmica de sobrevivência num país à deriva, que tenha responsabilidade suficiente para discernir o bem do mal, e que consigam implementar princípios éticos e dignos para trabalhar com a esperança que um dia possa acontecer o”milagre” de surgir um “salvador da pátria” que tenha a coragem de acabar com a bandalheira e a abastança governamental e política, dando o verdadeiro exemplo de austeridade por eles próprios. 
  • Quando isso acontecer o Brasil realmente terá tudo para mudar de paradigma.
  • São esses os meus votos de esperança para aqueles que ainda têm Deus no coração.
  • Dentro desse princípio 
  • FELIZ ANO NOVO…

Alberto Maçorano