Nelson Mandela (1918-2013), que nesta quarta-feira (18) completaria 100 anos de idade, foi o primeiro presidente negro da África do Sul, no cargo de 1994 a 1999. A figura de renome internacional, conhecida por erguer o seu país do domínio colonial e transformá-lo em democracia, foi um fervoroso defensor dos valores da paz e do perdão. 

Dê uma olhada em alguns fatos pouco conhecidos sobre esse líder revolucionário anti-apartheid.

  • Seu nome de nascimento era Rolihlahla, que em Xhosa significa “puxar o galho de uma árvore” ou “desordeiro”. Como era difícil pronunciar, seu professor do ensino fundamental lhe deu o nome de Nelson.
  • Na juventude, Mandela se interessou muito pelo boxe. Em sua autobiografia “Longa caminhada para a liberdade” (“Long Walk to Freedom”), ele escreveu: “Eu não gostei da violência do boxe. Estava mais interessado na ciência disso – como você move seu corpo para se proteger, como você usa um plano para atacar e recuar, e como você se e movimenta em uma luta”.
  • Durante os seus 27 anos de prisão, Mandela se inspirou no poema “Invictus”, do poeta inglês William Ernest Henley. Ele costumava recitar o poema sobre nunca desistir de seus companheiros de prisão. As últimas linhas diziam: “Eu sou o mestre do meu destino, sou o capitão da minha alma”.
  • Enquanto estava na prisão, Mandela estudou direito por correspondência na Universidade de Londres. Antes, ele tinha começado a estudar também na Universidade de Witwatersrand. Interrompeu o curso as duas vezes e recebeu o diploma de Direito da Universidade da África so Sul apenas em 1989, durante os últimos meses de sua prisão.
  • Em agosto de 1952, Mandela, que na época tinha um diploma de bacharel e um diploma de Direito, associou-se ao revolucionário e anti-apartheid Oliver Tambo para estabelecer o primeiro escritório de advocacia negro na África do Sul, o Mandela & Tambo.
  • A empresa Em 1962, ele realizou treinamentos militares no Marrocos e na Etiópia, onde aprendeu a usar rifles automáticos, pistolas, bombas e minas tinha por objetivo ajudar pessoas afetadas pelas leis do apaEm 1962, ele realizou treinamentos militares no Marrocos e na Etiópia, onde aprendeu a usar rifles automáticos, pistolas, bombas e minasrtheid.
  • Em 1962, ele realizou treinamentos militares no Marrocos e na Etiópia, onde aprendeu a usar rifles automáticos, pistolas, bombas e minas.
  • Em 1991, em Cuba, Mandela conheceu o ícone revolucionário Fidel Castro. Uma coletânea de seus discursos daquela reunião foi publicada em um livro chamado “How Far We Slaves Have Come”, (em tradução literal, “Até onde os escravos chegaram”.
  • O líder sul-africano fez uma breve aparição em um filme dirigido por Spike Lee, “Malcolm X” (1992), estrelado por Denzel Washington (foto). Mandela apareceu como um professor no final do filme e recitou partes do discurso de Malcolm X “Por qualquer meio necessário”
  • Na prisão de Robben Island, na Cidade do Cabo, o seu número era 46664, ou seja, 466º prisioneiro de 1964. Em 2003, o mesmo número foi usado como nome de sua campanha para arrecadação de fundos no combater ao HIV / AIDS.
  • Mandela foi considerado um mestre do disfarce. Certa vez, vestiu-se como motorista para escapar da polícia durante a sua luta contra o apartheid. A imprensa chamou-o de “Pimpinela Negra” depois do Scarlet Pimpernel, um personagem fictício que evitou a captura durante a Revolução Francesa. Em sua biografia, Mandela escreveu: “Eu me tornei uma criatura da noite. Ficava em meu esconderijo durante o dia e saía para fazer o meu trabalho quando escurecia”.
  • Até 2008, Mandela constava na lista americana de vigilância do terror, já que seu partido político, o Congresso Nacional Africano, era considerado um grupo terrorista. Foi finalmente removido da lista depois de um projeto de lei assinado pelo ex-presidente dos EUA, George W. Bush. Naquela época, o então senador John Kerry, de Massachusetts, disse: “Ele não tinha lugar na lista de vigilância do terror do nosso governo, e estou satisfeito por ver isso se tornar lei”
  • Ao longo de sua vida, Mandela recebeu mais de 695 prêmios, incluindo o Prêmio Nobel da Paz de 1993 e o Prêmio Lenin da Paz de 1990.
  • Em 2009, as Nações Unidas declararam sua data de nascimento – 18 de julho – como o “Dia Internacional Nelson Mandela” em reconhecimento à sua contribuição à “cultura de paz e liberdade”.
  • Em julho de 2012, cientistas colocaram o seu nome em um fóssil de um pica-pau pré-histórico, chamando-o de Australopicus nelsonmandelai. Os restos mortais foram encontrados em Langebaanweg, na costa sudoeste da África do Sul.
  • Em todo o mundo, centenas de ruas, edifícios, organizações, faculdades e outras instituições comunitárias receberam o nome do pacificador global. Além da África do Sul, países como Índia, Reino Unido e Brasil homenagearam o ex-líder do apartheid.