https://br.yahoo.com/noticias/em-supermercado-moro-e-questionado-sobre-caso-queiroz-e-aparece-discutindo-com-cliente-em-video-112801830.html

O ministro Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, foi alvo de questionamentos em um supermercado de Brasília a respeito do caso de Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), citado em relatório do Coaf por movimentações financeiras atípicas. Em vídeo, gravado pelo próprio manifestante, o ex-juiz aparece ao fundo em um caixa do estabelecimento.

Leia mais:
Esposa de Moro pede fim do “mimimi” contra governo Bolsonaro
Familiares de Queiroz não comparecem a depoimento

“Por que o Queiroz não é pauta? Estou questionando. A roubalheira do PT é pauta, mas a do Queiroz, do PSL, do governo, não é pauta”, questiona o rapaz.

O manifestante aparece discutindo com um homem, identificado pelo jornal Folha de S. Paulo como Marcos Koren, segurança do ministro, a respeito das reclamações: “Ele (Moro) não pode falar sobre isso? Por que o senhor quer conversar comigo lá fora? Quer me censurar por isso?”

Em resposta, Koren responde que está atrás do rapaz no caixa para comprar “uma água”. Ele pede que o rapaz não grite e ouve em resposta: “Com a presença do Sergio Moro por que não posso gritar?”. E justifica: “Estou gravando porque estou em um ambiente público e ele é um ministro.”

Moro, visto em outro caixa, diz que o manifestante “está sendo desagradável e mal-educado com todo mundo”.

“Os áudios vazados da Dilma o senhor não foi mal educado, né? Agora fica pianinho, caladinho?”, respondeu o autor do vídeo. “Censurar é típico de vocês”, continua o homem, que também chama o ministro de “lixo de gente”.

Ao fundo, também é possível ouvir a voz de uma mulher exigindo aumento de reforços na segurança pública do estado do Ceará, que sofre com ataques criminosos desde o dia 2 de janeiro. Diante da discussão entre Moro e o outro manifestante, ela também critica o ministro: “No dia em que senhor recusar o auxílio moradia, você fala.”

À Folha, a assessoria de Moro confirma o episódio mas não diz qual foi a data do ocorrido. Nesta terça-feira (8), o presidente Jair Bolsonaro (PSL) determinou aumento na segurança pessoal do ministro alegando “situações de risco decorrentes do exercício do cargo”.

Confira o vídeo em que Moro e o manifestante discutem em supermercado:

Nosso comentário: parabéns ao jovem que “peitou” o poderoso chefão da justiça brasileira. É muito fácil ditar ordens e fazer condenações injustas, sem fundamentos (Lula), vazar vídeos (Dilma) ilegalmente, em escritório de ar condicionado, de barriga cheia. O difícil é encarar o povo, cara a cara, lutando pela sobrevivência, com salários de miséria. Porque não encarou o jovem frente a frente senhor Moro? Porque fugiu da briga? Não tenha medo, porque nenhum miserável tem a insensibilidade de atirar num governante. Tenha a coragem de falar diretamente com o seu povo brasileiro para conhecer de verdade o que significa ganhar um salário de miséria em confronto com a sua abastança de super burguês. Enquanto isso subsistir senhor Bolsonaro, o Brasil não terá dignidade alguma, seja lá o presidente que tiver. Enquanto o senhor e seus correlegionários gastam o precioso tempo escarafunchando para encontrar uma falha no ex-presidente Lula, que ainda não conseguiram encontrar, mas o senhor teve o descaramento de condenar sem justa causa, sem nenhuma autoridade que barre os seus cometimentos… Dizem à boca cheia que ninguém está acima da lei, mas o senhor age como se estivesse, porque fez todas as arbitrariedades com o Lula e ninguém barrou os seus espetaculares cometimentos contra o PT, Lula e Dilma. 

Não precisa ter superseguranças, como o senhor presidente fica tão assustado… Não existe nenhum complôt de parte alguma como o senhor presidente pretende fazer crer. O que aconteceu com ele foi um reajuste de vidas passadas… Nada mais além disso. Que se preocupe em acabar com as mordomias governamentais já teria valido a pena ser presidente. Se não fizer isso e preocupar apenas com a lei da bala, então nada fará a mais para o bem do Brasil e pare de blasfemar usando e abusando o nome de Deus em vão. Quem tem Deus no coração, de verdade, jamais iria inventar uma lei da bala, porque não existe nenhum Deus (se ele pensa que tem um só para ele) que mande matat um ser humano, seja a que pretexto for…

Alberto Maçorano