O presidente Jair Bolsonaro afirmou que tem 1 “decreto pronto” que determina a reabertura dos comércios e atividades que foram consideradas não essenciais pelos governadores e prefeitos. 

Fez 1 apelo para que os mandatários estaduais e municipais “revejam” as medidas restritivas adotadas para combater a propagação da covid-19 –doença causada pelo novo coronavírus.

“Eu tenho 1 decreto pronto na minha frente pra ser assinado, se preciso for, considerando atividade essencial toda aquela exercida pelo homem ou mulher através da qual seja indispensável para ele levar o pão pra casa todo dia”, disse em entrevista aos jornalistas Augusto Nunes, Vitor Brown e José Maria Trindade, do programa Os Pingos nos Is, da Jovem Pan.

O presidente voltou a fazer críticas ao governadores que determinaram o isolamento total nos Estados, citando o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), e o governador de São Paulo, João Doria (PSDB). Segundo o presidente, o país não vive uma “ditadura”. “Comecem a abrir [os comércios]. Não querem abrir de imediato, vão abrindo devagar”, pediu.

No início da entrevista, o presidente afirmou que a medida ainda não foi assinada porque teme 1 pedido de impeachment. Disse ainda que vai esperar “o povo pedir mais”.

“Sei que tem ameaça de tudo quanto é lugar contra mim se eu vier a assinar essa medida provisória, até de sanções de modo a buscar afastamento, sem qualquer amparo legal para isso. Agora eu apelo aos senhores governadores, não são todos, aos senhores prefeitos, não são todos, apenas uma minoria, que revejam as suas posições”, disse.

“Um presidente pode muito, mas não pode tudo. Nós temos gente ali, gente poderosa em Brasília que espera 1 tropeção meu. Eu estou esperando o povo pedir mais porque o que eu tenho de base de apoio são alguns parlamentares, tudo bem, não é maioria, mas eu tenho o povo do nosso lado. Eu só posso tomar certas decisões com o povo estando comigo”, afirmou.

Para Bolsonaro, os governadores querem que ele tome essa decisão. No entanto, disse que tem a preocupação de cada morte que for registrada no país ficar sob sua responsabilidade.

“O que alguns governadores mais querem é que eu tome uma decisão para trazer o problema para o meu colo. E, dali pra frente, qualquer morte que acontecer, começar a me culpar e massificar. É essa que é a minha preocupação no momento”, disse.

Apesar da fala, ao fim da entrevista, Bolsonaro foi enfático: “Na semana que vem, com toda certeza, se não começar a volta, pelo menos gradativa, dos empregos, eu vou ter que tomar uma decisão”.

“Eu acho que até semana que vem o pessoal que está empregado, que vai receber, geralmente recebe por volta do dia 5, não vai receber. O servidor público tem que entender, se não tiver arrecadação não vai receber também. O Rio de Janeiro, por exemplo, não tem dinheiro para pagar em maio”, disse.

Nosso comentário: este presidente deveria ser-lhe imposto um exame de sanidade mental. É incompreensível como um presidente que já cometeu e comete toda a espécie de disparates, incompatíveis com o alto grau hierárquico que exerce, ainda não provocou uma atitude nas forças do poder para fazer-lhe um impeachment. Por muito menos e sem qualquer argumento válido, as forças políticas exoneraram Dilma Roussef. Esse homem ainda tem a coragem de falar que não existe ditadura, quando ele próprio a exerce. Não me vou prolongar mais por alguém que nem justifica tanta perda de tempo.

Alberto Maçorano