De todos os meios para adquirir a força de o conseguir, o mais eficaz é a vontade, secundada pela prece, entendida a prece de coração e não aquelas nas quais a boca participa mais que o pensamento. É necessário pedir a seu anjo de guarda e aos bons Espíritos que nos assistam na luta. 

Mas não basta lhes pedir que expulsem o mau Espírito: é necessário lembrar-se da máxima:
“Ajuda-te, e o céu te ajudará;” e lhes pedir, sobretudo, A FORÇA QUE NOS FALTA PARA VENCER NOSSAS MÁS INCLINAÇÕES, QUE PARA NÓS SÃO PIORES QUE OS MAUS ESPÍRITOS, POIS SÃO ESSAS INCLINAÇÕES QUE OS ATRAEM, COMO A PODRIDÃO ATRAI AS AVES DE RAPINA. 
Orando também pelo Espírito obsessor, pagamos com o bem pelo mal, mostramo-nos melhor que ele, o que já é uma superioridade. Com a perseverança a gente acaba, na maioria dos casos, por conduzi-lo a melhores sentimentos, transformando o obsessor em reconhecido.
Em resumo, A PRECE FERVOROSA E OS ESFORÇOS SÉRIOS POR SE MELHORAR SÃO OS ÚNICOS MEIOS DE AFASTAR OS MAUS ESPÍRITOS, QUE RECONHECEM COMO SENHORES AQUELES QUE PRATICAM O BEM, AO PASSO QUE AS FÓRMULAS LHES PROVOCAM O RISO. A CÓLERA E A IMPACIÊNCIA OS EXCITAM. É PRECISO CANSÁ-LOS, MOSTRANDO-SE MAIS PACIENTES.

Allan Kardec
Revista Espirita ANO 5 – DEZEMBRO 1862 – Nº. 12 de Kardec

Postado por Ana Maria Teodoro Massuci, em 13/09/18, na Rede Espirit Book.