Quando você se decidir a agir segundo a sua própria determinação de viver AYAM, deverá praticar tudo quanto é necessário por lei cósmica para ser livre.

A primeira condição para se tornar liberto da consciência do ego externo é que você preste serviço de liberdade. Este serviço será prestado ao “outro”.

A segunda condição de serviço é que você não poderá escolher a quem libertar da escravidão ou da servidão do ego.

A terceira condição é que você deverá sempre observar O LUGAR, SITUAÇÃO e OCASIÃO e saber que lá estará o “outro” a quem o serviço será prestado.

A quarta condição é que não peça liberdade ao “outro” e não espere que ele o liberte, apenas dê liberdade e só assim se libertará.

A quinta condição é que você manterá uma atitude de Gratidão e Alegria ao “outro”, por ele estar NO LUGAR.

A sexta condição é que você manterá a possibilidade de exercer um poder, sem “pensar” qual o motivo, se não na existência desse poder de Liberdade.

A sétima condição é que você manterá o estado de homem livre em si e de sempre dar liberdade a um prisioneiro.

O processo da liberdade exige um eterno vigiar. Vigiar o oro, vigiar o sentimento, vigiar o pensamento e vigiar as ações. Aquele que decide querer exercer a ação da Liberdade, deverá observar sempre suas manifestações frente ao “outro”. Quando este se apresentar como o seu próximo, será sempre com a finalidade de se libertar, será como um grito. Liberte-me!

Preste atenção ao “outro”, NO LUGAR, como se ele ali estivesse, se manifestando, para ser livre, e assim deve ser tratado. Tudo, seja o que for, que ele diga, aja, pense e fale, nunca deve ser visto como o ego externo e sim como se o seu EU quisesse que você o manifestasse para libertar aquele ser. Faca isto, manifeste o EU e libertando, liberte-se.

Por exemplo se o “outro” se manifestar com inveja, cuidado como você vê o mal da inveja. Perceba, este é o melhor que o ego tem para te oferecer é o “bem” dele. Se você se ligar a esta manifestação pensando, sentindo, falando e até agindo como mal, que é o bem dele, você apenas coloca mais peso no prato da balança, e alimenta o ego do “outro” pois você faz o que é “bem” para ele, pois este é o “bem” que ele quer para continuar a existir.

Se Você joga, o jogo do ego, o “outro” continuará preso. Você também, porque o prato de sua balança que te prende, é o prato do bem, e você o fez.

O que faz o AYAM ? Exatamente o contrario do que o ego deseja. Quando ele manifesta o mal, você se cala, no verbo, no sentimento, no pensamento e na ação e absorve este mal, digere este mal, não verbalizando, não sentindo, não pensando e principalmente não agindo. Só assim você liberta o “outro”, porque é retirado do prato, o mal da balança do “outro”. É absorvendo para o seu prato da balança que você se liberta.

Assim também, você deve se comportar perante o mal do mundo. Se coloque NO LUGAR onde você possa ABSORVER. E nunca, em lugares, em que todos os momentos, você possa ALIMENTAR o ego.

Estar NO LUGAR e ABSORVER significa vigiar e CALAR!!! É estar no AYAM.

Estar em todos os lugares, não vigiando, e agindo, pensando, sentindo e falando, e falando, e falando é ALIMENTAR o ego. É estar MAYA.

Veja o que diz a BÍBLIA sobre a Liberdade

Isaías 61:10

O Espírito do Senhor Deus está sobre mim, porque o Senhor me ungiu para pregar boas-novas aos mansos; enviou-me a restaurar os contritos de coração, a proclamar Liberdade aos cativos, e a abertura de prisão aos presos.

Coríntios 3:17

Ora, o Senhor é o Espírito; e onde está o Espírito do Senhor aí há liberdade.

Lucas 4:18

O Espírito do Senhor está sobre mim, porquanto me ungiu para anunciar boas novas aos pobres; enviou-me para proclamar libertação aos cativos, e restauração da vista aos cegos, para pôr em liberdade os oprimidos.

Tiago 1:25

Entretanto aquele que atenta bem para a lei perfeita, a da liberdade, e nela persevera, não sendo ouvinte esquecido, mas executor da obra, este será bem-aventurado no que fizer.

Gálatas 5:13

Porque vós, irmãos, fostes chamados à liberdade. Mas não useis da liberdade para dar ocasião à carne, antes pelo amor servi-vos uns aos “outro”s.

A LIBERDADE AOS CATIVOS

A ABERTURA DA CARCERAGEM AO PRESOS

A primeira condição de Liberdade é a Gratidão. É a Qualidade de quem é Grato.

Porém esta Gratidão não será sómente gratitudine, e sim um gratia donu.

É o reconhecimento por um benefício recebido é agradecimento pelo Dom ou virtude especial concedido por Deus, como meio de ajudar ou abençoar.

É um donativo, uma dádiva, um presente é um dote ou uma qualidade natural. É inata. É um mérito, um merecimento, uma vantagem de ter o Poder, a virtude e o privilégio, de em qualquer Lugar, exercer para si, para o “outro” e para os “outro”s, a Verdadeira Gratidão.

Gratitudine significa Gratidão, ser grato. Mas gratia donu significa o dom da graça. É este GRATIA DONU, que liberta. É este o caminho da salvação e da sagração e a Verdadeira Gratidão.

Gratidão pela proximidade com o “outro” e pela sua balança.

Gratidão pela oportunidade e pela justiça de lhe ser permitido manifestar o dom inato da Graça para com o “outro”. Nunca perca está oportunidade de Liberdade, de transmutação, de transfiguração, de ressurreição e Ascensão. A oportunidade é única, não espere por “outro” momento, é neste lugar, neste aqui e agora, ÚNICO, que você deve reequilibrar. Aproveite está ocasião,esta situação e Liberte e serás Libertado.

A BALANÇA E A DUALIDADE

Os seguintes requisitos devem ser observados nos Portadores de Luz, principalmente nos que seguram a tocha da Liberdade, colocando sua consciência no fiel ou na tara de sua “Balança eletrônica”.Guarde bem essa expressão.

Observar a sua balança pessoal nas características de:

Precisão: quando consegue fornecer com rigorosa exatidão o valor do peso ou da massa que esta sendo medido.

Fidelidade: É a qualidade que você tem que acusar sempre o mesmo resultado para pesagens repetidas em qualquer situação ou ocasião.
E indispensável que o seu equilíbrio seja mantido na sua decisão.

Justeza: Toda balança após a medição deverá voltar à posição inicial, não havendo modificação em seu estado de equilíbrio, esta condição exige rigorosa igualdade.

Estabilidade: Consiste no equilíbrio que se, encontra por decisão, quando com as massas de sua balança em seus pratos.

Sensibilidade: A sua balança é muito sensível na sua posição de equilíbrio quando houver uma pequena diferença de massa entre as cargas colocadas nos dois pratos.

Lembre de que sua balança tem que ter uma ótima “geometria”, caso contrário ficará com erro de medida.
O “outro” está ai no LUGAR. Você está ai, no LUGAR, com sua balança. É chegado o momento: reequilibre o “outro” e se reequilibre.

Quando uso a expressão entre aspas de o “outro” é porque ele na realidade é você no ESPELHO. Está é a condição para começar o entendimento. Esteja certo que a sua balança da dualidade depende do prato do bem x mal ou do bom x mau…etc
Equilibre colocando a sua consciência no fiel ou na tara da balança. Olha bem a massa que coloca nos pratos.

Postado por Patrizia Gardona, em 01/05/18, na Rede Espirit Book