Desde as mais antigas civilizações, o sexo foi considerado uma sagrada faculdade do homem e da mulher. Nele, sempre foi reverenciado o poder criador da vida e da natureza. Todas as culturas dão testemunho disso em seus ritos, mitologias, artes e tradições religiosas.
Se atentarmos para o significado de algumas palavras que expressam conotações referentes ao “sagrado” e ao espiritual, encontraremos nítidas relações com a sexualidade transcendente ou espiritual:
A palavra sacrossanto, (do latim sacrosanctu) expressão que significa “santo e sagrado”, tem origem na palavra “sacro” (sacru), osso da coluna vertebral mediatamente inferior às vértebras lombares, onde localiza-se o aparelho reprodutor.
A própria palavra criar, da raiz sânscrita KR significando “fazer”, através do latim creare, implica produção, crescimento, dar vida. A estreita relação entre fecundidade sexual e originalidade mental fica evidente pelo uso que fazemos da palavra “criar”, indicando tanto criação da vida como atividade artística. O nascimento de idéias tem analogia com o nascimento físico e empregamos a palavra “concebendo” e “concepção” em dois sentidos.
O mesmo se dá nas palavras Génesis (do latim genese e do grego genesis), ou gênio, que têm sua origem em genésico, ou genital, ualmente associados à criação e à criatividade, com raízes no sexo.

Orgasmo:
Vocábulo encontrado no português, através do latim, a partir de duas raízes gregas estreitamente relacionadas: orgio, um rito sagrado, sacrifício, cerimônia que fazia parte dos antigos mistérios greco-romanos realizados nos festejos de Dionisio ou Baco.
O que derivou nossa expressão “orgia”, e orgasio, que significa “crescer”, “inchar” de ardente desejo, paixão, enlevo superdimensionamento da sensação culminando no êxtase interior.

Venerar:
Associado ao sânscrito van, amar ou honrar, porém tomado diretamente do latim vener, reverenciar, amar. “Venerável”, “venéreo” e “Vênus” (a deusa romana do amor) também são palavras relacionadas, oriundas do latim. Venerar significaria reconhecer os órgãos sexuais como objetos verdadeiramente merecedores de nossa adoração e respeito.
Tão elevadas eram consideradas as funções sexuais e tão estritamente ligadas ao conceito do divino, que podemos ler na bíblia, em Génesis, 24-2-9:
“Põe a tua mão por baixo da minha coxa (sobre o membro viril), para que eu te faça jurar pelo Senhor, Deus do céu e da terra.
Pos, portanto, o servo a mão debaixo da coxa de Abraão, seu senhor, e jurou-lhe fazer o que lhe tinha dito.”
Todas essas expressões eram usadas na linguagem mística dos mistérios das antigas religiões e tinham profundo significado espiritual para os seus adeptos e iniciados. Na verdade, a energia criadora do sexo faculta no homem e na mulher os mais elevados sentimentos e pensamentos, expande as percepções da alma ao amor incondicional, às dimensões do espírito, das ciências e das artes.
Obviamente, toda essa linguagem simbólica se degenerou, perdeu-se, banalizou-se. Com o tempo, esses elevados conceitos se perderam e o sexo passou a ser motivo de “perdição” e “pecado”. As trevas da Idade Média reprimiram-no totalmente.
E hoje, sob o pretexto de liberação sexual tornou-se motivo de desequilíbrio e quedas morais escabrosas.

Sexo e casamento:

Também o espiritismo reconhece na sexualidade seu caráter divino e espiritual. Compreende a importância de sua sagrada função de perpetuação da espécie, bem como a necessária complementação emocional que proporciona aos seres, constituindo-se, assim, essencial atributo do espírito imortal.
Allan Kardec, em sua obra, O Livro dos Espíritos, abordou a questão da sexualidade enfatizando o casamento, conforme orientação dos espíritos superiores, como a condição ideal de equilíbrio e sustentação para a sexualidade humana, considerando o seu aspecto físico-espiritual:
“A união livre e fortuita dos sexos pertence ao estado da natureza. O casamento é um dos primeiros atos de progresso nas sociedades humanas, porque estabelece a solidariedade fraterna e se encontra entre todos os povos, embora nas mais diversas condições. A abolição do casamento seria, portanto, o retorno à infância da humanidade e colocaria o homem abaixo mesmo de alguns animais que lhe dão o exemplo das uniões constantes”.
Predominância do corpo sobre a alma:
Uma pergunta interessante de Kardec aos espíritos superiores, muito oportuna aos nossos dias, encontra-se na questão 694, de O Livro dos Espíritos. Pergunta o codificador: “Que pensar dos usos que têm por fim deter a reprodução, com vistas à satisfação da sensualidade”. Ao que eles respondem: “Isso prova a predominância do corpo sobre a alma e o quanto o homem está imerso na matéria”.

Poligamia ou monogamia?
A inversão de valores de nossos dias confunde a muitas pessoas. Mas o espiritismo vem falar da lei divina, que é imutável e para a qual o homem deve aprender a conformar sua conduta, a fim de evitar o sofrimento desnecessário.
Mas, em se tratando de comportamento sexual, qual seria a atitude mais conforme à lei natural: a poligamia ou a monogamia? Para os espíritos “a poligamia é uma lei humana, cuja abolição marca um progresso social. O casamento, segundo as vistas de Deus, deve fundar-se na afeição dos seres que se unem. Na poligamia não há verdadeiramente afeição: não há mais do que sensualidade”.
O codificador ainda enfatiza: “Se a poligamia estivesse de acordo com a lei natural devia ser universal, o que, entretanto, seria materialmente impossível em virtude da igualdade numérica dos sexos. A poligamia deve ser considerada como um uso ou uma legislação particular apropriada a certos costumes e que o aperfeiçoamento social fará desaparecer pouco a pouco”.

E o celibato voluntário?
“Seria o celibato voluntário um estado de perfeição, meritório aos olhos de Deus?” pergunta o codificador aos espíritos. Respondem eles: “Não, e os que vivem assim, por egoísmo, desagradam a Deus e enganam a todos”.
No entanto, é diferente quando o celibato é um ato de sacrifício para algumas pessoas que desejam devotar-se mais inteiramente ao serviço da humanidade. Afirmam os espíritos a este respeito: “Todo sacrifício pessoal é meritório, quando feito para o bem e sem egoísmo. Quanto maior o sacrifício, maior o mérito.

Direcionamento consciente da energia físico-espiritual do sexo:

Nos difíceis dias de hoje, o espiritismo vem para nortear o sentimento e os valores morais do ser humano em prova na Terra, restituindo-lhe o bom senso, esclarecendo-lhe o raciocínio.

Portanto, ao compreender o homem a si mesmo como um ser espiritual, revestido das mais gloriosas potencialidades, com vistas à imortalidade, saberá entender e a sentir o valor, a responsabilidade perante si e ao próximo e, sobretudo, a orientação de luz ou de treva, para a qual direciona a energia físico-espiritual do sexo.

CITAÇÕES:
O Livro dos Espíritos, Allan Kardec J. Herculano Pires.

“Toda vez que determinada pessoa convide outra à comunhão sexual ou aceita de alguém um apelo neste sentido, em bases de afinidade e confiança, estabelece-se entre ambas um circuito de forças, pelo qual a dupla se alimenta psiquicamente de energias espirituais, em regime de reciprocidade”.

Emmanuel / Francisco Cândido Xavier

CONSCIÊNCIA ESPÍRITA
www.forumespirita.net

Postado por Ana Maria Teodoro Massuci, em 10/12/19, na Rede Espirit Book.