Não raras vezes, ouvimos pessoas dizendo que dariam tudo para conhecer o seu passado e/ou para descobrir o futuro. Muitas vezes, o que interessa a elas (no que concerne ao mundo espiritual) é a descoberta do que foram no passado e a visualização do que serão no futuro.A primeira coisa que temos de ter em mente é que hoje (no presente) somos seres mais elevados do que fomos ontem (no passado). Inclusive, na presente reencarnação, nós estamos muito melhores do que estávamos na encarnação passada. E assim é porque o espírito não retrograda (não desce na escala evolutiva). O máximo que pode ocorrer é um espírito não evoluir durante uma encarnação inteira e, dessa forma, ficar parado no mesmo patamar evolutivo. Todavia, retroceder, jamais.
Tendo essa premissas em mente, basta que olhemos o nosso presente para sabermos o que fomos nas vidas passadas. Se hoje ainda temos orgulho, egoísmo, inveja e ciúmes, por exemplo, e, sabendo que estamos melhores do que estávamos no passado, fica claro e evidente que o nosso pretérito não foi, ao menos no que diz respeito à parte moral, dos melhores.
Deus, em sua infinita sabedoria e misericórdia, nos deu a condição de esquecer o passado. E isso nos ajuda muito, haja vista que, se ficássemos nos lembrando das vidas passadas, poderíamos nos tornar depressivos e não ter coragem de lutar contra as provas e expiações pelas quais temos de passar. Com o esquecimento, não sabemos o motivo pelos quais estamos sofrendo, mas, tendo confiança na Justiça de Deus, sabemos que há uma causa justa que autoriza o efeito das provações que estamos experimentando.
Quanto ao futuro, isso depende exclusivamente do nosso presente.
O plantio é opcional, mas a colheita é obrigatória. O que plantarmos hoje colheremos amanhã. O que fizermos nessa vida gerará reflexos na próxima encarnação. Se quisermos ter um futuro brilhante, façamos a nossa parte hoje e, com certeza, os frutos aparecerão.
Isso é o que nos diz a lógica e a razão. Esperar ser santificado pela morte não é algo coerente com a Justiça de Deus. Por isso a máxima espírita é que fora da caridade não há salvação, ou seja, fora da caridade não há evolução. Sendo assim, partamos imediatamente para o trabalho de reforma íntima que nos conduzirá a um futuro melhor do que o nosso presente. Quanto ao passado, Chico Xavier foi preciso: ninguém pode voltar atrás e fazer um novo começo, mas qualquer um pode recomeçar e fazer um novo fim.

Postado por Ana Maria Teodoro Massuci, em 21/07/16, na rede Espirit Book.