Você é um dos 435 mil eleitores que irão cumprir o sagrado dever de votar no próximo 2 de outubro em Ribeirão Preto? Calma. Não vai ser fácil. Uma espécie de 13º trabalho de Hércules, quando deveria ser um prático aperto de botão eletrónico. Para os eleitores novatos ou para os mais idosos,o TER disponibiliza até treinamento na internet, pelo computador.Mas, não. Desta vez, o problema não é operacional. É moral, é ético, é existencial. É político. É policial.           

                Você se vê às voltas com nomes conhecidos. Investigados pela Polícia Federal e pelo Ministério Público. Você sente perplexidade. Indignação.

                Há um rombo de mais de 200 milhões nos nossos cofres. E a cidade está abandonada.

                Ontem, a prefeita de Ribeirão Preto passou mais de nove horas na Procuradoria de Justiça em São Paulo, depondo. Explicando se tem, ou não, ligações com os tentáculos da corrupção denunciada. Consta que passou mal. O teor do depoimento, porém, não foi revelado. Corre sob segredo de justiça.

                Resta-nos, agora, decifrar a esfinge. Ou ela nos devorará.

                Com a Prefeitura e a Câmara em estado de exceção, qual será o destino da prefeita? E o nosso? Dárcy alega inocência. Nós, que somos inocentes, estamos quebrados. Em todos os sentidos. Mas não vamos permitir que 160 anos de uma grande história, sejam jogados na lama. É uma questão de brio.

Editorial do jornal A Cidade 
Ribeirão Preto, 17/09/16

Nosso comentário: muito bem colocada a questão: “To be or not to be, that is the question”? (Ser ou não ser, eis a questão), como dizia William Shakespeare. Apesar de não ser eleitor por força da minha cidadania estrangeira, nem por isso, deixo de estar politizado e dar o meu pequeno contributo à elevação moral deste combalido país. Estamos atravessando uma fase de mudança acentuada e, como tal, temos obrigação de estar atentos à distinção entre o trigo e o joio. Não nos deixemos embalar pela aparência, pela superficialidade, pela demagogia e está na hora de dar um basta na podridão latente na política da corrupção.

 Peço vénia para sugerir dois nomes de pessoas que conheço pela sua integridade moral e ética: Cristiane Framartino Bezerra para vereadora, 23770 e para Prefeito, acredito em Gandini, na minha opinião,  o mais qualificado, técnica quão moralmente, com o nº 40. Acredito sejam nomes para fazer a diferença, de verdade.

 

Alberto Maçorano