O ator Domingos Montagner morreu na última quinta-feira (15) depois de se afogar no Rio São Francisco, na cidade de Canindé (SE). A atriz e colega de elenco Camila Pitanga estava com ele no momento do acidente e contou em entrevista ao programa “Fantástico”, da Rede Globo, os detalhes da tragédia.

Com base no depoimento, o terapeuta Jordan Campos sugeriu, em um post que se tornou viral, que o que impediu Domingos de reagir foi uma “crise de paralisia traumática”. Conversamos com especialistas para entender se essa é mesmo uma possível explicação para o acontecido.

Depoimento de Camila Pitanga sobre tragédia

Em entrevista ao “Fantástico”, Camila Pitanga contou que a ideia inicial não era nadar no local onde o acidente aconteceu. “A gente nem ia para lá, íamos para outro lugar, mas acabamos achando mais simples ir ali”, disse a atriz.

Camila contou que os dois pularam de uma pedra e nadavam a favor de uma correnteza muito suave num lugar mais profundo, longe da faixa de areia. Quando tentaram sair do rio, eles não conseguiam sair do lugar.

A atriz disse que eles decidiram, então, se segurar em algumas pedras próximas. Camila conseguiu, mas Domingos não se movia. “Olhei para ele e pensei: ‘Está assustado, vou voltar para ajudá-lo’. Não tinha noção do que estava acontecendo. Eu dizia: ‘Calma, está tudo bem, pode vir’, mas ele não vinha. Ele não saía do lugar e não falava nada. Foi estranho. Ele parecia paralisado”.

“A única coisa que ele dizia era: ‘Cá, não tô conseguindo'”, relembrou a atriz, que relatou ter voltado para o lugar onde estava Domingos para puxá-lo pelo braço, mas ele não saía do lugar. “Eu queria mostrar para ele que dava para ir para as pedras e que estava tudo bem”.

 © Fornecido por Batanga Media Difusão pela Internet LTDA

“Quando ele submergiu pela segunda vez, foi aí que eu entendi o que estava acontecendo. Eu entendi que eu não podia ir lá, porque era algo maior do que eu imaginava. Não sabia o que era, mas sabia que não poderia ir lá. Eu sabia que não poderia salvá-lo”, contou Camila.

“Em nenhum momento, ele me agarrou. Ele me salvou. Ele sabia o que estava acontecendo, ele me deu a oportunidade de viver, ele me deu essa chance”, relembrou. “Eu vi o último olhar dele. Ele não estava desesperado, era [um olhar] de muita tristeza, ele não queria ir. Ele estava cheio de vida, rodeado por uma família linda”, finalizou.

O que disse o terapeuta 

Em um post que está se tornando muito popular nas redes sociais, o terapeuta Jordan Campos sugere que Domingos sofreu uma crise de paralisia traumática. De acordo com ele, o que aconteceu foi um afogamento passivo motivado por uma paralisia traumática.

“[…]Quando, no entanto acontece a paralisia (o que costumamos chamar nos animais de fingir de morto), a função racional do cérebro praticamente é desligada. O cérebro acredita que poupar energia física e mental (já que não se sabe o que fazer) é o melhor plano”, escreveu o terapeuta.

Segundo Jordan, o grito de Camila Pitanga teria, também, provocado uma reação no ator: “O grito da Camila, sem querer, acionou uma outra função que é a da desistência pelo pavor. Ele então, que já estava na paralisia, ao escutar o grito (segundo este raciocínio biológico-comportamental) diminui mais ainda o tônus muscular (fica com as pernas bambas) e afundou. Era uma esperança até de ele ‘acordar’ da paralisia e reagir com o grito. Mas as condições físicas e naturais do rio já deviam estar insuportáveis e ele se foi, de forma terrível”.

“Entender por que o Domingos paralisou não vai nos levar a uma viagem segura. Pode até ser por um conflito de infância com água, ou até algo que aconteceu dentro da barriga da mãe dele, quando ele era um feto que nadava nas águas e tinha um cordão umbilical preso ao pescoço, por exemplo. Muitas possibilidades”, finalizou.

Paralisia traumática pode ter sido a causa? 

A psicóloga e psicoterapeuta Andreia Calçada, especialista em neuropsicologia, explica, primeiramente, que não existe um termo cunhado como “crise de paralisia traumática” que defina uma doença, transtorno ou distúrbio. No entanto, essas palavras possuem um significado intrínseco que faz referência a um trauma anterior sendo revivido.

“Quando dizemos que o Domingos Montagner sofreu o acidente porque estaria revivendo um trauma anterior com água ou algo do tipo, estamos apenas especulando sobre algo que não temos pleno conhecimento”, pontua a especialista.

Sobre a reação frente o perigo extremo, como aconteceu com o ator, a psicóloga explica que a reação do corpo é liberar uma quantidade muito grande de hormônios, como a adrenalina, que estimulam um aumento do fluxo sanguíneo para braços e pernas, além de provocar um aumento da frequência cardíaca e pressão arterial, todos esses mecanismos que fazem parte da reação de fuga.

Existem situações, no entanto, em que esse excesso hormonal, em conjunto com o pânico, o estresse e ansiedade causam uma paralisia, mas não são todos os casos desse tipo motivados por traumas. “No caso de Domingos, ele sequer mexeu os braços ou esboçou uma possível fuga, portanto, isso pode ter acontecido, sim, mas não temos como afirmar com certeza”, finaliza. 

Morte de Domingos Montagner

Índios que salvaram Santo na novela fazem texto emocionado para DomingosVeja a região da prainha onde Domingos Montagner se afogouAntes de ser galã, Domingos já era rei no circo. Relembre trajetória do ator

Nosso comentário: no contexto social em que estamos inseridos, dificilmente aceitamos estes fatos, tentando sempre achar as explicações mais estapafúrdias para comprovar os fatos. Infelizmente a sociedade, como um todo, está longe dos conceitos existencialistas fornecidos pela doutrina espírita. É bom lembrar que não se trata de teoria, dogmas, ou acho que…, creio que…, etc., etc., É uma realidade de fato, quem quiser acreditar que acredite, quem não quiser, o problema vai ser sempre dele. Não estamos mais em épocas obscurantistas, em que se imagina isto ou aquilo, à lus do obscurantismo. São fatos comprovados e científicos. Portanto, à luz desse entendimento, não procuremos motivos alheios à realidade. Não desvirtuemos a autenticidade das coisas, da natureza e da providência divina. 

Se aconteceu, é porque tinha que acontecer. Chega de especulações infundadas. Então tentemos saber numa reunião mediúnica, através da espiritualidade, o que de fato aconteceu e porque aconteceu. Assim, não haverá mais motivação para cairmos nas especulações ou atribuir culpas aleatórias. Aceitar a realidade dos fatos com humildade, de verdade, e não da boca para fora. Porque nada está perdido perante essas fictícias “fatalidades”. Tudo continua e continuará dentro de condicionalismos e limitações, mas continuará sempre dentro das trajetórias divinas e não inserido nas nossas ambições e desejos…

Eu irei tentar saber nas nossas reuniões mediúnicas a possibilidade de saber dados concretos sobre o acontecido. Se eu conseguir essa informação, dar-vos-ei conhecimento. 

Enquanto isso, não caiamos nas especulações infundadas e façamos simplesmente a lição de casa: orar para que ele esteja em paz e harmonia assim como aso seus familiares que aqui ficaram.

ESTEJA EM PAZ, DOMINGOS MONTAGNER, E ACEITE OS DESÍGNIOS DIVINOS. COM CERTEZA SERÃO SEMPRE PARA O SEU APRIMORAMENTO. LUZ E PAZ NO SEU CAMINHO.

Alberto Maçorano