A transição para uma Nova Era está inserida em um Planejamento Divino. No caminho podem ocorrer transes físicos, espirituais, psíquicos, políticos e sociais. A Espiritualidade tem propiciado alertas e orientações continuadas, mas mantendo a tônica do apoio e do consolo.O Codificador inseriu nas obras básicas mensagens espirituais e fez comentários preciosos sobre o cumprimento da Lei do Progresso.
 
Mensageiros espirituais prosseguem até nossos dias a nos oferecer orientações sobre os momentos de transição que estamos vivendo. Acompanhemos alguns destaques de assertivas e esclarecimentos emanados da Espiritualidade superior.
 
O Espírito Santo Agostinho, em O Evangelho segundo o Espiritismo, comenta que “o progresso é uma das leis da Natureza. Todos os seres da Criação, animados e inanimados, estão submetidos a ele pela bondade de Deus, que deseja que tudo se engrandeça e prospere. A própria destruição, que parece aos homens o termo das coisas, é apenas um meio de se chegar, pela transformação, a um estado mais perfeito, visto que tudo morre para renascer e nada sofre o aniquilamento. Ao mesmo tempo que os seres vivos progridem moralmente, os mundos que eles habitam progridem materialmente. […]” e, “[…] a Terra esteve material e moralmente num estado inferior ao em que hoje se acha, e atingirá, sob esse duplo aspecto, um grau mais elevado. Ela chegou a um dos seus períodos de transformação, em que, de mundo expiatório, tornar-se-á mundo regenerador. Os homens, então, serão felizes na Terra, porque nela reinará a lei de Deus”.1
  
Allan Kardec, em A Gênese, tece considerações sobre o tema em diversos capítulos, sendo oportuna a transcrição das seguintes afirmações dos Espíritos:
 
“O progresso da Humanidade se efetua, pois, em virtude de uma lei. Ora, como todas as leis da Natureza são obra da eterna sabedoria e da presciência divina, tudo o que é efeito dessas leis resulta da vontade de Deus, não de uma vontade acidental e caprichosa, mas de uma vontade imutável. Quando, por conseguinte, a Humanidade está madura para subir um degrau, pode-se dizer que os tempos marcados por Deus são chegados, como se pode dizer também que, em tal estação, eles chegam para a maturação dos frutos e sua colheita. […][…] a Humanidade tem realizado incontestáveis progressos. Os homens, com a sua inteligência, chegaram a resultados que jamais haviam alcançado, sob o ponto de vista das ciências, das artes e do bem- -estar material.Resta-lhes, ainda,um imenso progresso a realizar: fazerem que reinem entre si a caridade, a fraternidade e a solidariedade, que lhes assegurem o bem-estar moral. […] […] À agitação dos encarnados e desencarnados se juntam, por vezes e mesmo na maioria das vezes, já que tudo se conjuga, na Natureza, as perturbações dos elementos físicos […]. É no período que ora se inicia que o Espiritismo florescerá e dará frutos. É, pois, para o futuro, mais que para o presente, que trabalhais; mas era necessário que esses trabalhos fossem elaborados previamente, porque preparam as vias da rege-Trabalhemos por Jesus, ainda que a nossa oficina esteja localizada no deserto das consciências”.6
  
Já no final da obra Há Dois Mil Anos, Emmanuel reproduz importante diálogo que provém do Alto, o qual está relacionado com a etapa do ciclo evolutivo em que vivemos:
 
“Sim! amados meus, porque o dia chegará no qual todas as mentiras humanas hão de ser confundidas pela claridade das revelações do céu. Um sopro poderoso de verdade e vida varrerá toda a Terra […].
 
 […] Trabalharemos com amor, na oficina dos séculos porvindouros, reorganizaremos todos os elementos destruídos, examinaremos detidamente todas as ruínas buscando o material passível de novo aproveitamento e, quando as instituições terrestres reajustarem a sua vida na fraternidade e no bem, na paz e na justiça, depois da seleção natural dos Espíritos e dentro das convulsões renovadoras da vida planetária, organizaremos para o mundo um novo ciclo evolutivo, consolidando, com as divinas verdades do Consolador, os progressos definitivos do homem espiritual”.7
 
 Sobre esse aspecto, o Espírito Bezerra de Menezes comenta, em manifestação psicofônica recente, que “Jesus está no leme e os seus arquitetos divinos comandam os movimentos que lhe produzem alteração da massa geológica, enquanto se operam as transformações morais. […] Nos dias atuais, como no passado, amar é ver Deus em nosso próximo; meditar é encontrar Deus em nosso mundo íntimo, a fim de espargir-se a caridade na direção de todas as criaturas humanas. Trabalhar, portanto, o mundo íntimo, não temer quaisquer ameaças de natureza calamitosa através das grandes destruições que fazem parte do progresso e da renovação, ou aquelas de dimensão não menos significativa na intimidade doméstica, nos conflitos do sentimento, demonstrando que a luz do Cristo brilha em nós e conduz- -nos com segurança.
[…]
Sejam celebradas e vividas a crença em Deus, na imortalidade, nas vidas ou existências sucessivas, fazendo que as criaturas deem-se as mãos construindo o mundo de regeneração e de paz pelo qual todos anelamos… […] Ainda verteremos muito pranto, ouviremos muitas profecias alarmantes, mas a Terra sairá desse processo de transformação mais feliz, mais depurada, com seus filhos ditosos rumando para mundo superior na escalada evolutiva”. 8
 
Em outra manifestação, a mesma Entidade espiritual esclarece:
 
“…Estamos agora em um novo período. Estes dias assinalam uma data muito especial, a data da mudança do mundo de provas e expiações para o mundo de regeneração. A grande noite que se abatia sobre a Terra lentamente deu lugar ao amanhecer de bênçãos. […] Iniciada a grande transição, chegaremos ao clímax, e na razão direta em que o planeta experimenta as suas mudanças físicas, geológicas, as mudanças morais são inadiáveis. Que sejamos nós aqueles Espíritos-espíritas que demonstremos a grandeza do amor de Jesus em nossas vidas”. 
Postado por Nilza Garcia, em  16/06/16, na rede Espirit Book