“Convivemos, comumente, ao sabor daquilo que sentimos espontaneamente por alguém.

Consideremos nesse tema que o Amor não é um automatismo do sentir no aprendizado das relações humanas, como se houvessem fatores predisponentes e inderrogáveis  para gostar dessa ou daquela criatura.

Leia mais