Em 1969, Chico Xavier pingou, finalmente, o ponto final em seu centésimo livro: POETAS REDIVIVOS. Sentiu vontade de correr pelas ruas, de gritar, de festejar. Tinha cumprido o acordo assumido com Emmanuel dez anos antes.

Leia mais