Até o capitulo XVII do Livro o Evangelho Segundo o Espiritismo aprendemos a praticar o amor e a caridade, em processo de desenvolvimento da perfeição de que somos possuidores, por sermos filhos e herdeiros de Deus. A partir do capitulo XVIII – Muitos os Chamados e Poucos os Escolhidos somos convidados a participar do “banquete celestial“, ou seja, trabalhamos para que a Lei de Deus se cumpra.
Por isso que na lição 132 do Livro dos Espíritos, Kardec pergunta qual o objetivo da Encarnação e os Espíritos respondem que a reencarnação tem duplo objetivo: “Deus impõe-lhes a encarnação com o objetivo de fazê-los chegar à perfeição (…) e também executar (…) as ordens de Deus; de tal forma que, concorrendo para a obra geral, ele próprio se adianta.”.
Então Kardec lembra-nos que para sermos admitidos nesse banquete não basta levar o nome de cristão, mas ter pureza de coração e praticar a lei de Amor e Caridade e nos adverte: “… entre todos aqueles que ouvem a palavra divina, poucos são os que as guardam e as colocam em pratica!”. Ele também nos orienta dizendo que precisamos fazer grandes esforços contínuos, perseverantes para vencermos as nossas más tendências, seguirmos os preceitos de Jesus e cuidarmos dos seus ensinos com amor para que ele não seja modificado segundo nossas conveniências e interesses e, espalharmos seus benefícios em abundância.
Mas para espalharmos as palavras de Jesus precisamos da fé. Por isso Kardec no capitulo XIX – A Fé transporta Montanhas, nos fala da “Fé segura que nos proporcionará a perseverança, a energia e os recursos que permitem vencer os obstáculos.” , da “Fé sincera e verdadeira (…) que dá a paciência que sabe esperar” porque ela está apoiada na inteligência e na compreensão das coisas. Neste capitulo aprendemos também que a Doutrina espirita nos conduz a Fé raciocinada, tratando de forma clara as questões da vida, sem preconizar que está com a verdade, mas estimulando ao exame do que falso e, apoiando-se na evidencia dos fatos e da razão, construindo assim a fé inquebrantável.
Então fortalecidos pela Fé, podemos dar um passo adiante, chegamos ao capitulo XX – Os trabalhadores da última hora, e Kardec então nos ensina que precisamos conservar nossa boa vontade para estarmos à disposição do Senhor para sermos trabalhadores de sua seara, e nos alerta dizendo que os bons espíritas são os trabalhadores da última hora, e que há muito tempo o Senhor os chamava para trabalhar em sua vinha. Nós espíritas somos convocados para falar da reencarnação e da elevação dos espíritos, desempenhando nossa missão com responsabilidade e, nos orienta dizendo que devemos sacrificar nossos hábitos, trabalhos e ocupações fúteis em beneficio da propagação da doutrina para que ela frutifique.
Chegamos então no capitulo XXI – Haverá falsos Cristos e Falsos Profetas. Então pensamos que essa orientação é somente para que tenhamos cuidado com aqueles que pregam os ensinos de Jesus, mas aqui vamos pensar em nós como divulgadores. Apreendemos que muitos homens exploraram os conhecimentos que possuíam para dominar, para atender seus interesses, satisfazer sua ambição. Precisamos então nos questionar: Qual o nosso interesse em propagar a Doutrina Espirita¿ Devemos responder essa questão com sinceridade para não explorarmos os conhecimentos que possuímos para proveito próprio. Por isso o Espirito Luiz nos diz: “Ide, (…), caminhai sem vacilações, sem segundas intenções na rota bendita que escolhestes…”.
Então através do trabalho, como apóstolos de Jesus, cumprindo a parte que nos cabe na obra da criação vamos aprender a dar qualidade ao amor para tornarmo-nos espíritos melhores.
O Evangelho Segundo o Espiritismo – (Capítulos XVIII a XXI)

Fonte: Centro Espírita Leon Denis

Postado por Nilza Garcia, em 01/06/16, na Rede Espirit Book.