Senador é alvo de 9 inquéritos no STF. Na delação da JBS, é acusado de pedir R$ 2 milhões em propina.

Jefferson Rudy/Agência Senado
Conselho de Ética recusa desarquivar pedido de cassação de Áecio Neves (PSDB-MG).

O Conselho de Ética do Senado Federal recusou nesta quinta-feira (6) o recurso para desarquivar o processo que pede a cassação do senador Aécio Neves (PSDB-MG). Foram 12 votos pelo arquivamento e 4 contra.

 

O pedido foi arquivado pelo presidente do colegiado, senador João Alberto Souza (PMDB-MA), em junho, por “falta de provas”, segundo ele.

Cinco senadores apresentaram um requerimento para que o processo voltasse a tramitar, mas eram necessários pelo menos oito votos dos 15 integrantes titulares para a ação seguir adiante.

 

Na sessão desta quinta, senadores se revesaram contra e a favor do arquivamento. “A gente pode fechar os olhos para tudo isso, mas o povo vai cobrar”, afirmou o senador João Capiberibe (PSB-AP).

 

Líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR) disse que o arquivamento no Conselho não impede as investigações na Justiça e que “qualquer um pode ser investigado”. “Não há nenhum demérito em ser investigado”, disse.

 

Aécio voltou ao Senado nesta terça-feira (4), após o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello suspender na última sexta-feira (30) o afastamento do parlamentar, fora do mandato desde 18 de maio.

Na decisão, o magistrado afirmou que “o afastamento do exercício do mandato implica esvaziamento irreparável e irreversível da representação democrática conferida pelo voto popular”.

Ao retomar o mandato, o senador negou, em plenário, ter cometido crimes e disse que foi alvo de perseguição.

Fui condenado previamente, sem nenhuma chance de defesa; tentaram execrar-me junto à opinião pública. Fui vítima da manipulação de alguns, da má-fé de muitos e, sobretudo, de julgamentos apressados, alguns feitos aqui mesmo, nesta Casa, por alguns poucos que parecem não se preocupar com a preservação dos direitos individuais e com o primado da nossa Constituição.

Em delação premiada, o dono do frigorífico JBS Joesley Batista afirmou à Procuradoria-Geral da República (PGR) que o senador pediu R$ 2 milhões. O dinheiro seria para pagar despesas judiciais.

Segundo a Polícia Federal, parte do valor foi entregue por um executivo da JBS ao primo do senador, Frederico Pacheco de Medeiros, que repassou o dinheiro a Mendherson de Souza Lima, então assessor parlamentar do senador Zezé Perrella (PMDB-MG).

Em 2 de junho, a Procuradoria-geral da República denunciou o parlamentar por corrupção e obstrução à Justiça. Aécio é alvo de outros oito inquéritos no STF.

Confira como votou cada senador do Conselho de Ética:

Pelo arquivamento:
1. Airton sandoval (PMDB-SP)
2. João Alberto Souza (PMDB-MA)
3. Romero Jucá (PMDB-RR)
4. Hélio José (PMDB-DF)
5. Davi Alcolumbre (DEM-AP)
6. Flexa Ribeiro (PSDB-PA)
7. Eduardo Amorim (PSDB-SE)
8. Gladson Cameli (PP-AC)
9. Acir Gurgacz (PDT-RO)
10. Telmário Mota (PTB-RR)
11. Pedro Chaves (PSC-MS)
12. Roberto Rocha (PSB-MA)

Pelo desarquivamento:
1. Lasier Martins (PSD-RS)
2. José Pimentel (PT-CE)
3. João Capiberibe (PSB-AP)

 

Nosso comentário:  e pensar que foi este crápula que fez o possível e o impossível para tirar Dilma Roussef do poder… por simples capricho, sem motivação concludente. Não esquecendo que Lula está sendo investigado e incriminado levianamente, sem quaisquer provas e fundamentos e este crápula depois de terem sido descobertas provas de corrupção generalizada na sua trajetória política, além de cheirar “cola”, ainda se dá ao “luxo” de estar solto, sem nenhuma investigação de monta, pelo próprio STF. Isto é a democracia brasileira, sem necessidade de mais comentários…

Alberto Maçorano