Revelação sobre as vítimas do Titanic é descoberta

Após a tragédia que afundou o Titanic, o navio CS Mackay-Bennett teve a seu cargo a difícil tarefa de recuperar as mais de 2.500 vítimas que estavam a bordo. Alguns telegramas recentemente revelados mostram a forma como a tripulação da embarcação lidou com o grande número de cadáveres encontrados à deriva no oceano, que foram mais de 1.500.

O navio saiu de Southampton para Nova Iorque, em 10 de abril de 1912. Passou por Cherbourg-Octeville, na França e por Queenstown, na Irlanda. A embarcação colidiu com um iceberg em 14 de abril de 1912 e afundou na madrugada do dia seguinte.

Segundo o Daily Mail, os tripulantes do CS Mackay-Bennett sentiram-se literalmente ‘esmagados’ pelo número de cadáveres e ao chegarem à conclusão que tinham um espaço de armazenamento limitado, tomaram uma decisão no mínimo chocante.

Ficou então decidido dar prioridade aos corpos de passageiros de primeira e segunda classe, que foram recuperados e devolvidos aos familiares, para que lhes fossem prestadas as devidas homenagens fúnebres. Quanto aos corpos das vítimas que viajavam em 3ª classe foram atirados às águas gélidas do Atlântico Norte.

Esta terrível revelação chegou até nós por intermédio dos telegramas trocados entre o navio de salvamento e recuperação e a White Star Line, a companhia que detinha o Titanic.

Clique na galeria e veja as fotos de uma tragédia que apesar da distância temporal continua emocionar (e chocar) o mundo.

Sobreviventes

Não se sabe a quantidade certa de quantas pessoas sobreviveram à tragédia. As vítimas que conseguiram escapar com vida foram levados a bordo do Carpathia por diferentes meios. Alguns foram fortes o bastante para subirem uma escada de cordas, enquanto outros e as crianças foram içados por cordas e sacos. O que é conhecido é que o último bote resgatado foi o número 12, que estava com 74 pessoas a bordo.

Filme

Em 1997, o diretor James Cameron transformou a história do Titanic em filme. O longa estrelou com Leonardo DiCaprio, como Jack Dawson, e Kate Winslet, como Rose DeWitt Bukater. No Oscar, o filme teve 14 indicações e 11 prêmios, incluindo o melhor filme.

Nosso comentário: sabem o que disse o dono da companhia que fabricou esse gigante dos mares da época? Que nem Deus poderia afundar esse navio? Todos sabem o que aconteceu, não é verdade? Apenas quatro dias de vida teve essa obra prima, mas sem obedecer aos desígnios divinos. O badalado padre Alessandro Campos tem razão quando diz nas sua canção: o que é que eu sou sem Jesus? Nada, nada, nada… É isso mesmo, a melhor estrutura técnica terrena nada representa perante o poder divino. Pense nisso.

Alberto Maçorano

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *