Portanto, a possibilidade do futuro ser revelado ao homem existe, embora “em casos raros e excepcionais”. Em seguida, esclarecem o porquê da excepcionalidade: “se o homem conhecesse o futuro, neglicenciaria do presente e não obraria com a liberdade com que o faz…” Portanto, o conhecimento prévio do futuro é vedado ao homem em seu próprio benefício.Também explicam os casos excepcionais em que a revelação é permitida “quando o conhecimento prévio do futuro facilite a execução de uma coisa…” Por conseguinte, somente quando há interesse superior, o futuro poderá ser revelado ao homem. Podemos extrair dessa informação que o conhecimento prévio do futuro também somente será possível, se tiver por objetivo o benefício de uma coletividade. Sendo inadmissível, se for para benefício do indivíduo, ou puder causar um mal à coletividade.Respondendo a Kardec, na pergunta 868, de “O Livro dos Espíritos”, dizem, os Espíritos Superiores, que “em princípio, o futuro é oculto ao homem e só em casos raros e excepcionais permite Deus que seja revelado”.


Emmanuel, por sua vez,afirma ‘Os Espíritos de nossa esfera não podem devassar o futuro, considerando essa atividade uma característica dos atributos do Criador Supremo, que é Deus.
Temos de considerar, todavia, que as existências humanas estão subordinadas a um mapa de provas gerais, onde a personalidade deve movimentar-se com o seu esforço para a iluminação do porvir, e, dentro desse roteiro, os mentores_espirituais mais elevados podem organizar os fatos premonitórios, quando convenham à demonstração de que o homem não se resume a um conglomerado de elementos químicos, de conformidade com a definição do materialismo dissolvente.’É importante também reiterar que o futuro somente existe como possibilidade: ao preparar-se para a reencarnação, o Espírito estabelece, com o consentimento e orientação superiores, uma programação genérica, que norteará sua passagem no corpo físico. Entretanto, não existe fatalidade nos acontecimentos previstos no “programa reencarnatório”. Existe, somente, possibilidade. André Luiz, no livro “Ação e Reação”, psicografia de Francisco Cândido Xavier, assevera que “as causas de ontem podem ser afastadas pelas causas de hoje…” Por conseguinte, o fundamento da programação pode ser mudado e acontecimentos previamente previstos, como possíveis, podem não ocorrer. É o que assegura, categoricamente, o autor Espiritual, na citada obra. E essa mudança ocorre, quase sempre, na última hora, tornando impossível qualquer previsão. E sempre por uma razão mais compatível com a Grande Lei.

Postado por Ana Maria Teodoro Massuci, em 22;04/17, na Rede Espirit Book