É intolerável pensar em uma Ribeirão Preto saqueada por forças subterrâneas, organizadas, que se alojam no coração do centro administrativo municipal para se alimentar do seu sangue. São autoridades insuspeitas atrás de postos e cargos. E também empresários e profissionais dispostos a compactuar com os atos ilícitos para auferir lucros.

                Por isso, apesar de estranho, o nome da operação deflagrada ontem pela Polícia Federal e pelo GAECO não poderia ser mais feliz: “Sevandija” significa parasita, verme, pessoa que vive à custa alheia.

                Está mais do que na hora de estancar a farra das catracas, das licitações fraudulentas e das operações criminosas.

                É preciso investigar a fundo cada caso, apurar cada inquérito com lupa, para que se restitua a dignidade desta cidade, que perdeu, mais do que a qualidade de vida, a tranquilidade. Não são só os buracos no asfalto. É o serviço de coleta de lixo que falha, é o atendimento médico paralisado. E por falta de recurso de verbas. Informa a polícia federal que esse dinheiro sai do nosso cofre para bolsos alheios.

                O jornal A Cidade é documento para dar respaldo às investigações. Desde 2012 já publicávamos a suspeita de contratações ilegais pela Coderp. Denúncias sobre o Daerp são ainda mais antigas.

                Ribeirão exige as explicações da Prefeita e vereadores envolvidos. Que se faça justiça em caráter exemplar para limpar a nossa cidade dos parasitas.

Editorial do jornal A Cidade 
Ribeirão Preto, 02/09/16

Nosso comentário: engraçado…. Ainda ontem (01/09) no v/editorial, estavam felizes e davam os parabéns à maturidade do sistema democrático brasileiro pelo desfecho do impeachment. Hoje, pelo comentário acima, nem parece que a redação de ontem era a vossa.

                Afinal onde reside a essência do sistema democrático?

Sem entrar no mérito da questão, são raciocínios antagónicos. Então em qual ficamos? Em apenas 24 horas, lemos dois comentários opostos. É demais…

Os leitores merecem mais respeito e consideração, e a tomada de posicionamento deve ser muito bem medida, comprovada, e executada, para que não surjam equívocos como dos de agora.

Quem apoia o impeachment, deflagrado, mantido e concretizado por uma corja de hipócritas, facínoras e malfeitores, não poderá levar a sério a autenticidade dos fatos.

Não dignifica quem quer que seja, uma “tropa de combate” enterrada no maior lamaçal de corrupção, alcandorar-se a juiz de uma presidente ilesa de qualquer crime ou manchas que possam denegrir a sua imagem, não pode, de maneira alguma ser lídima representante do sistema democrático, apoiada, por incrível que pareça, pela quase totalidade da imprensa brasileira, inclusive por vcs. Por isso, vcs não têm moral para qualificar de parasitas estes malfeitores descobertos em Ribeirão, quando fizeram vista grossa aos parasitas de Brasília.

Alberto Maçorano