Existem sonhos obstinados que parecem antigos filmes seriados ou capítulos de novelas que se sucedem cada dia. A sua razão de ser está no passado que torna por vezes, no presente, e ficamos na posição de artista que assiste ao próprio filme de que participou. 

Sono é um desdobramento, mais ou menos inconsciente, é uma porta que libera o espírito algumas horas, para que este descanse das lutas acerbas na Terra, vestido do escafandro da carne.

Dormir, para o homem, é como se alimentar do mais refinado repasto da vida, é o melhor alimento, porque é o alimento da alma.

Existem elementos espirituais necessários ao espírito, que somente em espírito ele pode assimilar, a não ser o místico que, com a sua pureza de alma, abre caminho em todas as direções para o mundo invisível, de modo a receber o hálito do Senhor, donde provém a vida.

Mesmo assim ainda é um pouco deficiente. Exceto isso, recebemos fragmentos desses fluidos por intermédio da prece, pela música elevada, e por alta afinidade de pessoas, que se amam verdadeiramente. No fim, nota-se que é o milagre do amor.

Não generalizamos aqui o assunto. Há companheiros que, logo após deixar o corpo físico pelo sono, encontram-se em bacanais muito piores que os da Terra.

Mesmo assim, na sua estrutura, reabastecem-se por bondade de Deus, por amor do Pai Celestial. Há alguns, que meditando sobre os sonhos, afirmam que eles provém de regiões insondáveis, principalmente para os homens. Com isso não concordamos. Diante do desenvolvimento do espiritualismo, encontrar-se-ão respostas para os sonhos, por serem dadas a conhecer certas reaçôes do espírito encarnado e algumas divisões da consciência profunda.

Freud deu o primeiro toque mágico, desobstruiu os caminhos para que a ciência pudesse viajar nos corredores, onde se encontram os arquivos da alma. Cruzar os braços, porque não entendemos determinada coisa, não é procedimento de espírito elevado. Tudo o que existe oculto, por lei, pode se tornar claro.

O sonho implica em muitos processos, como lembrança do passado, certos assuntos que falamos durante o dia, relacionados a acontecimentos que nos provocaram grandes emoções, trabalhos no percurso do dia que ficaram gravados com mais intensidade na consciência e o poder regressivo da memória, que faz lembrar os compromissos, quando às vésperas da reencarnação.

E, acima de tudo isso, é quando dormis, que estais mais ou menos livres, encontrando, no mundo dos espíritos, companheiros igualmente no mesmo estado, onde se desfecham muitas conversações, como, e certamente, o encontro com pessoas caras.

E as conversações travadas são os sonhos ao acordar.

Também se dá o encontro com inimigos, que por sua vez são os mais frequentes na atmosfera da Terra. O sono é uma auto-hipnose da vida para com os que vivem na carne e, em muitos casos, fora dela. É como se fosse o aluno deixando o santuário da casa, e rumando para a escola, pois é por intermédio do sono que aprendemos as mais belas lições, que nos sentimos encorajados para viver, que resistimos aos embates dos problemas diários.

Se quereis ter sonhos mais lúcidos, lembranças mais vivas do encontro com entidades elevadas no mundo espiritual, começai a reformar a vossa mente.

Não vos esqueçais de ler alguma coisa dos conceitos do Cristo, se possível, diariamente. O que Jesus falou tem força poderosa em nós, e por nós, capaz de nos levar a uma visão plenária da vida feliz. Sono e sonhos são bênçãos de Deus, que avivam em nós a continuação da vida. Mesmo que o mundo nos faça esquecer, de momento, as verdades ouvidas e aprendidas no mundo dos espíritos, elas ficarão vivas em nosso cofre íntimo, esperando que algum dia ele seja aberto, para saírem. São jóias preciosas que nos pertencem.

Mesmo que por fanatismo ou prepotência, vaidade ou contradição. queiramos negar a verdade do espírito, ela existe e, por menos tempo que julgamos, vem à tona, pelos meios que a própria verdade conhece. Abracemos Jesus, pois, com Ele, poderemos dormir e sonhar com a vida eterna.

Fonte – Horizontes da Mente (psicografia João Nunes Maia – espírito Miramez)

Postado por Ana Maria Teodoro Massuci, em 07/07/17 na Rede Espirit Book

Posts Relacionados