O ministro da Saúde, Ricardo Barros, ontem pela manhã ameaçou cortar verbas do SUS (Sistema Único de Saúde), alegando falta de dinheiro. Sugeriu imitar a Grécia, que cortou programas sociais porque o Estado “não tinha mais capacidade de sustentá-los”. À tarde voltou atrás, depois que a proposta provocou enérgicas reações.

O primeiro direito do homem é a vida. Metade da população brasileira tem esse direito periclitando. Se o SUS tem deficiências, imaginem com mais restrições. O ministro recuou, mas seu desprezo aos pobres ficou evidente.

                O Estado tem dinheiro, mas figuras como este ministro abusam das irregularidades que cometem. São eles que arruínam o Brasil.

Barros foi prefeito de Maringá, condenado na 4ª Vara Cível por “fraude na venda de coletores e compactadores de lixo”, em 1990. Ele criou uma comissão para avaliar os preços, e um dos seus integrantes acabou comprando os equipamentos. Isto é, quem fez o preço foi o próprio comprador. Foi condenado, recorreu e o STJ (Supremo Tribunal de Justiça) negou-lhe o recurso.

                Em 2011, afastou-se da Câmara Federal para assumir a secretaria da Indústria e Comércio do Paraná. Foi grampeado pelo Ministério Público pedindo ao secretário de Saneamento de Maringá para promover um acordo entre as empresas que participavam de uma licitação de R$ 7,5 milhões, naquela cidade. Ele era investigado no inquérito 4157, do STF, por “corrupção, peculato e crime contra a lei de licitações”. Agora, como ministro, tem foro privilegiado e não pode ser investigado.

                Detalhe: sua campanha eleitoral foi financiada pelos Planos de Saúde, que devem milhões ao SUS.

Júlio Chiavenato 
Ribeirão Preto. 18/05/16 
chiavenato@jornalacidade.com.br

Nosso comentário: senhor Chiavenato, continue denunciando essas pérolas. Pelo menos ficamos com a consciência tranquila de que o nosso grito contra o famigerado impeachment era verdadeiro, e que esse golpe não passava de uma farsa, de uma utopia, que muitos pensavam que iriam surgir os impolutos, os incorruptíveis, os puros-sangues da politicanalha brasileira. Foi para isso que o país ficou ingovernável por quase um ano e meio? Acentuando-se a crise e o desgoverno? Foi para isso que lacaios oportunistas e vermes parasitas enlameados na lama da corrupção vergonhosa, viessem ocupar o poder usurpado a gente íntegra e honesta? Foi para isso que arruaceiros e arruaceiras dos panelaços fizeram estardalhaços, caluniando e xingando gente de bem? Desnecessários serão mais comentários para desmascarar como é possível existir gente sem quaisquer escrúpulos, sem um pingo de consciência e vergonha na cara, que se deram ao “luxo” de revirarem o mundo do avesso para destituírem uma presidente do bem, sem mácula e sem ficha suja. Fiquem tranquilos, senhores sanguessugas, a vossa vez chegará nesta ou em outras vidas. Na hora apropriada o som da trombeta espiritual soará e aqueles que por agora se fazem passar por eminentes ricaços de palácios suntuosos, renascerão como simples parasitas subservientes na mendicância de qualquer conglomerado, enfermos de alguma doença incurável ou carregando alguma moléstia pelo resto da vida para amargarem o “sofrimento” que inescrupulosamente fizeram alguém passar… 

 

Alberto Maçorano

 

 

Posts Relacionados