Equipes espirituais de socorro têm sempre o seu dirigente, um Espírito mais evoluído, portador de grandes conhecimentos, com grande elevação moral, que orienta os trabalhos e deles participa ativamente. 

Todos os demais componentes das equipes têm, também, as suas funções, havendo aqueles que participam dos trabalhos até mais no sentido do próprio aprendizado. Os trabalhos de socorro, em algumas oportunidades, não prescindem da colaboração dos Espíritos encarnados que, na qualidade de médiuns, doam seus fluidos para as tarefas em que estes são necessários.

Também a prece é valioso instrumento de colaboração magnética nas ações curativas praticadas pelas equipes espirituais. Além disso, o necessitado de socorro é chamado a colaborar, espiritualmente, em favor de si mesmo, colocando-se em posição favorável para receber o auxílio.
Há inumeráveis turmas de socorro que colaboram nos círculos da crosta, voltadas para as necessidades e para o grau evolutivo de cada Espírito encarnado ou grupo. Essas turmas são dedicadas à caridade evangélica.

Aliás, “todas as escolas religiosas dispõem de grandes valores na vida espiritual”, como nos informa André Luiz”, para atender os Espíritos que desencarnam nos mais variados degraus evolutivos e nas mais diversas condições de crença.

Os milhares de servidores espirituais que participam desses grupos socorristas estão ligados a diversas regiões espirituais mais elevadas, onde há Espíritos benfeitores que velam pelos trabalhadores e inspirando-os em suas tarefas de amparo fraternal. O auxílio é desinteressado, e os trabalhos são os mais eficientes e dignos.

São conhecidos os diferentes grupos de trabalho das Fraternidades do mundo extrafísico. Na esfera de ação da Federação Espírita do Estado de São Paulo, por exemplo, há a Fraternidade dirigida pelo Espírito Dr. Bezerra de Menezes, com atividades médicas e investigações científicas para curas físicas; a Fraternidade dos Cruzados, dirigida por Ismael, para proteção da Federação e dos lares dos trabalhadores no campo mediúnico.

Admite-se a existência de tantas Fraternidades do mundo espiritual quantas são as diferentes atividades, incluindo vigilância, assistência, pesquisas, socorristas, estudos etc.

André Luiz e outros amigos espirituais têm trazido aos homens informações preciosas das atividades dos trabalhadores do Bem na erraticidade. Os Espíritos do Bem compreendendo melhor que os homens o ensinamento de Jesus “que ninguém se eleva senão através do amor ao próximo”, suas atividades socorristas em busca do aprendizado são certamennte mais intensas que as dos homens, porquanto sabem mais que eles que a vida continua, donde sentir a necessidade de refazer o caminho percorrido, reequilibrando almas, restabelecendo direitos, ou reajustando as próprias responsabilidades.

O socorro espiritual é um labor constante para os Espíritos mais esclarecidos, mais do que os homens possam imaginar, seja em favor de Espíritos desencarnados, ainda envolvidos em fluidos espessos, sofrendo a atração da matéria e sob a influência de apetites grosseiros, seja em favor daqueles que se estão desencarnando e necessitam de socorro imediato para a própria libertação perispiritual do invólucro físico, ou, ainda, no socorro dos próprios encarnados em suas fainas, sempre pedintes da misericórdia divina, que conforta os tristes, acalma os desesperados, socorre os ignorantes e abençoa os infelizes.

Dia virá em que a Medicina Espírita, que “é um processo em desenvolvimento”, como fala J. Herculano Pires (Mediunidade, cap. 12), terá a participação mais direta e objetiva dos Espíritos nos tratamentos das doenças dos homens.

O Espiritismo contribui com a mediunidade, e a Medicina, com o saber e a experiência dos médicos, de tal modo que “os médiuns representam os médicos espirituais que, através deles, dão a contribuição das observações do outro lado da vida. Os médicos representam a Medicina da atualidade e procuram estabelecer as ligações necessárias para um esforço comum em benefício da Humanidade”.

“Pedi e dar-se-vos-á; buscai e achareis; batei e abrir-se-vos-á”, disse Jesus Mt 7: 7 a 9), e sua promessa se cumpre através da ação dos Espíritos cooperadores com a obra do Bem, em atenção ao mérito de cada um e segundo a Vontade do Senhor.

Não há aquisição sem trabalho, ou mérito sem esforço próprio, na senda de cada alma encarnada ou desencarnada.

Postado por Nilza Garcia, em 31/08/17, na Rede Espirit Book