Função de Contenção – O perispírito conterá (no sentido de delimitar, de dar contornos e aparência) o espírito, dando-lhe forma à nossa percepção. Quando da necessidade da reencarnação o espírito precisa delinear, organizar e delimitar o processo morfogenético, presidindo à elaboração das formas e disposições do corpo que será desenvolvido para albergá-lo. (MOB – Modelo Organizador Biológico – Funções do Perispírito – Fonte Manual do Passista – Jacob Melo)

Aí se concretiza mais um passo importante na esperança de um regresso à vida, numa nova oportunidade que lhe foi concedida por Deus e pelos futuros pais, para, pelo esquecimento do passado, poder em liberdade, escolher os caminhos que o levarão a vencer as provas com que se defrontará. Se o conseguir, um regresso mais feliz o esperará na espiritualidade, junto de todos os que de algum modo contribuiram para o seu triunfo.

Em que momento a alma se une ao corpo?

R: A união da Alma ao corpo começa na concepção, mas só é completa por ocasião do nascimento. Desde o instante da concepção, o Espírito designado para habitar certo corpo a este se liga por um laço fluídico, que cada vez mais se vai apertando até ao instante em que a criança vê a luz. O grito, que o recém-nascido solta, anuncia que ela se conta no número dos vivos e dos servos de Deus. In”O LIVRO DOS ESPÍRITOS, p.199

“Quando o Espírito tem de encarnar num corpo humano em vias de formação, um laço fluídico, que mais não é do que uma expansão do seu perispírito, o liga ao gérmen que o atraí por uma força irresistível, desde o momento da concepção.

A medida que o gérmen se desenvolve, o laço se encurta. Sob a influência do princípio vito-material do gérmen, o perispírito, que possui certas propriedades da matéria, se une, molécula a molécula, ao corpo em formação, donde o poder dizer-se que o Espírito, por intermédio do seu perispírito, se enraíza, de certa maneira, nesse gérmen, como uma planta na terra. Quando o gérmen chega ao seu pleno desenvolvimento, completa é a união; nasce então o ser para a vida exterior.

In A GÉNESE -Os milagres e as predições segundo o Espiritismo – Allan Kardec, Capítulo XI, pág. 214, item 18