Nem sempre. Há casos em que um indivíduo vem no mundo com comprometimentos com um determinado indivíduo. Daí, ao se encontrarem no mundo irão formar um par ou não, de acordo com o livre arbítrio de cada um. No entanto, nas regras do mundo terrestre, onde ainda somos espíritos tão limitados, com tantas dificuldades e deficiências que é comum que nos unamos por afinidades. Nem sempre aquela criatura que se une conosco no casamento veio pré determinado. Mas a nossa vinculação afetiva, magnética estabelece que nós podemos ter uma vida a dois segura e realizar os projetos de Deus nessa relação. Então, podemos dizer que os casamentos são fundamentados, na maioria das vezes, na afinidade. Há casos muito interessante de que uma pessoa é apaixonada por outra em um determinado lugar e esta pessoa falece, o abandona, e o que ficou muda-se para outra cidade, país e encontra lá uma outra pessoa (afinidade) que amará tanto quanto amou a primeira ou até mais. Então, se houvesse essa determinação o indivíduo errou na primeira vez? Não errou. É que nós encontramos no mundo uma quantidade de pessoas de nossas afinidades. A grande responsabilidade é quando eu encontro a primeira (afinidade) e eu me dedicar a ela sem sair procurando as outras afinidades que sempre encontraremos, porque somos espíritos mais ou menos do mesmo nível.

Resposta de José Raul Teixeira

Postado por Ana Maria Teodoro Massuci, em 24/07/17, na Rede Espirit Book.