Nós vos demos a entrever a aurora da regeneração humana. Deveis nisto, como em toda a marcha da humanidade através das idades, ver o dedo de Deus.
Dissemos muitas vezes: tudo quanto se passa aqui embaixo, como tudo o que acontece no Universo, está submetido a uma lei geral: a do progresso.

Inclinai-vos ante ela, ó soberbos e orgulhosos, que pretendeis colocar-vos acima dos desígnios do Altíssimo! Buscai por toda a parte a causa de vossas desgraças, como de vossos deleites e aí reconhecereis sempre o dedo de Deus.

Talvez digais que o dedo de Deus é o fatalismo! Ah! guardai-vos de confundir essa palavra ímpia com as leis que a Providência vos impôs, a Providência que vos deixou o livre-arbítrio e, ao mesmo tempo, o mérito de vossos atos, mas que lhes tempera o rigor por essa voz, tantas vezes desconhecida, que vos adverte do perigo a que vos expondes.

O fatalismo é a negação do dever, porque, sendo nossa sorte fixada previamente, não nos cabe mudá-la.

Em que se tornaria o mundo com esta horrível teoria, que abandonaria os homens às pérfidas sugestões das piores paixões? Onde estaria o objetivo da criação? Onde a razão de ser da ordem admirável que reina no Universo?

Ao contrário, o dedo de Deus é a punição sempre suspensa sobre a cabeça do culpado; é o remorso que rói o coração, censurando-lhe os crimes a cada momento; é o horrível pesadelo que tortura durante longas noites sem sono; é esta traça sangrenta que o segue em todos os lugares, como para reproduzir a seus olhos, incessantemente, a imagem de seus desacertos; é a febre que atormenta o egoísta; são as angústias perpétuas do rico mau, que vê em todos os que se lhe aproximam espoliadores dispostos a roubar-lhe um bem mal adquirido; é a dor que experimenta em sua última hora por não poder levar seus tesouros inúteis!

O dedo de Deus é a paz de coração, reservada ao justo; é o suave perfume que vos enche a alma após uma boa ação; é esse doce prazer que se experimenta sempre ao fazer o bem; é a bênção do pobre que se assiste; é o doce olhar de uma criança cujas lágrimas enxugamos; é a prece fervorosa da pobre mãe a quem se proporcionou trabalho, que deve arrancá-la da miséria, numa palavra, é o contentamento consigo mesmo.

O dedo de Deus, enfim, é a justiça grave e austera, temperada pela misericórdia! O dedo de Deus é a esperança, que não abandona o homem em seus mais cruéis sofrimentos, que o consola sempre e deixa entrever ao mais criminoso, a quem o arrependimento tocou, um recanto da morada celeste, do qual se julgava expulso para sempre!

(Mensagem de um Espírito Familiar – Revista Espírita de 1863).

Postado por Ana Maria Teodoro Massuci, em 26/05/18, na Rede Espirit Book