Cada hora que uma pessoa passa sentada reduz a sua expectativa de vida em 21 minutos – é o que afirma uma pesquisa desenvolvida pela Universidade de Queensland, na Austrália. Os cientistas levantaram dados de 12 mil australianos, que responderam perguntas sobre o seu estado de saúde, doenças que já tiveram, sedentarismo, tabagismo e outros hábitos alimentares. Para medir as horas que os participantes passavam sentados, os estudiosos perguntaram quantas horas de televisão eles assistiam por dia.Os resultados mostraram que um adulto que passa seis horas por dia sentado em frente à TV deve viver quase cinco anos a menos que uma pessoa que não passa esse tempo sentada. Uma das possíveis explicações para essa relação é a ausência prolongada de contrações dos músculos das pernas. Depois de ficar meia hora sentado, o corpo liga o “modo repouso” e a taxa metabólica cai. Ficar de pé evita essa queda, pois o músculo permanece rígido, o que consome mais energia. Além disso, a pessoa em pé tende a se movimentar involuntariamente. Outro estudo australiano, da Universidade de Sidney, faz um alerta aos sedentários no ambiente de trabalho: pessoas que passam muito tempo sentadas podem estar até 40% mais suscetíveis a morrer por qualquer causa, em comparação com aquelas que não ficam sentadas por períodos tão longos. O estudo acompanhou mais de 200 mil adultos com mais de 45 anos por cerca de três anos. As chances de morte por qualquer coisa se mostraram 15% maiores em pessoas que ficavam sentadas por pelo menos oito horas e 40% maiores naqueles que passam 11 horas ou mais sentados por dia.

Nosso comentário: além do espiritismo, sou adepto fervoroso da alimentação natural, que pratico há precisamente 39 anos. Na época, de 85 Kg, vim para 60 Kg, que mantenho aproximadamente. É uma diferença muito grande entre uma pessoa que come arroz integral e aquela que come arroz branco. Deixei de comer carne desde então, mesmo porque nunca fui apaixonado por carne, mas saber exatamente como se processa o desenvolvimento desse alimento. desde a morte do animal é estarrecedor. Sem lembrar que existem casos em que a “pobre vaca” sofre processos extravagantes e apropriados, exclusivamente pra deleite da sua carne por parte dos humanos ainda semi-animalescos. É muito constrangedor, pelo menos pelo que me toca, devido à minha sensibilidade aflorada do instinto fraterno que é extensivo aos animais, nossos irmãos inferiores. Também deixei de beber leite desde essa época, pois o leite não é e nunca foi alimento para humanos. O destino desse leite é para alimentar os filhotes da vaca ou de quaisquer outras fêmeas. Assim o determina a natureza, onde nenhum animal adulto consome leite, a não ser o homem, por fatores económicos, principalmente. O açúcar, nem se fala, é a principal droga alimentar, devidamente autorizada. É o principal “veneno” da sociedade contemporânea. A maior parte dos distúrbios de saúde, estão direta ou indiretamente ligados ao consume do açúcar. Então, em vez de nos preocuparmos muito com remédios, deviam, antes de tudo, preocupar-se com uma alimentação mais saudável. Quem morar em Ribeirão Preto, tem o privilégio de poder saborear essa comida que eu mesmo confecciono, através de Marmitex que fornecemos. Pode constatar na pagina do FACE, MARMITEX – COMIDA NATURAL. Daí a razão de também expor, a partir de agora artigos sobre alimentação.

Alberto Maçorano