“Não é preciso estatística, nem balanço. A violência e os assaltos crescem a cada dia em Ribeirão Preto. Sente-se na pele. O melhor termómetro é este, o mesmo que se aciona em casos de epidemia de dengue, por exemplo: quando entre as notícias começam a aparecer os nomes do seu círculo de amigos, primeiro os distantes, depois os próximos, é sinal de que a onda deixou de ser marola para se tornar um vagalhão. É preciso colocar câmeras em todos os bairros e estabelecer punições exemplares para os criminosos. E, claro, combater o tráfico. Só um esforço conjunto do município e do estado pode acabar com a sensação de impunidade dos bandidos e com a sensação de insegurança da população”.

                O texto parece atual? Não é. Foi escrito em 2012, em meio às centenas de notícias e sensações epidémicas de que o “bicho estava pegando”. Pois estava e está. Nada mudou. Aliás, tem piorado muito. Experimente andar por Ribeirão Preto. Você verá dormindo nas calçadas e nas portas dos bancos, sob um calor de 30 graus. Os excluídos estão em toda a parte. Mansos, apenas deitam-se nas ruas e dormem como ovelhas. É de chorar.

                Já os loucos saem por aí cometendo toda a sorte de barbaridades. Deu no rádio, na rede, nos jornais e na TV: em S. Paulo, capital, estes assaltantes, numa violência sem limites, arrancaram uma cadeirante de 87 anos do carro que eles queriam levar.

                O filho suplicou que tivessem paciência, ele já iria tirar a mãe do banco de trás. Foi inútil. Os bandidos atiraram nela. E este tiro pegou também em mim, em você, em todos nós. Mas não podemos morrer disso. Nossa melhor resposta é sobreviver.

Rosana Zaidan
rosanazaidan@jornalacidade.com.br
Ribeirão Preto, 23/02/16

 

 

Nosso comentário:A violência e os assaltos crescem a cada dia em Ribeirão Preto; colocar câmeras em todos os bairros e estabelecer punições exemplares para os criminosos; combater o tráfico; só um esforço conjunto do município e do estado pode acabar com a sensação de impunidade dos bandidos e com a sensação de insegurança da população”; os excluídos estão em toda a parte. Mansos, apenas deitam-se nas ruas e dormem como ovelhas. É de chorar; já os loucos saem por aí cometendo toda a sorte de barbaridades; nossa melhor resposta é sobreviver”.

                Conhece prezada Rosana Zaidan, aquela passagem da bíblia que diz que a porta larga é para aqueles que não se preocupam com a lei divina; a porta mais estreita, mais difícil de ser ultrapassada é para aqueles que seguem os mandamentos divinos. Pois é, a sua proposta e a da maioria é precisamente a da porta larga. Aparentemente mais fácil de se atingiram os objetivos. Puro engano. Violência gera violência. Enquanto a sociedade caminhar por esse atalho, jamais iremos a parte alguma. Penso que ninguém concordaria construir uma sociedade de guethos, com seguranças e câmeras por tudo quanto é lado. E o que acontece fora do alcance dessas supostas condições de segurança?

                Somos todos iguais perante o criador e a sociedade tem por obrigação criar condições de vida para toda a população (e não apenas de sobrevivência). A mídia continua tapando o sol com a peneira, apavorando e aterrorizando, impondo tabus e ignorância às camadas mais incultas, e daqui por cinquenta anos o seu texto estará cinquenta mil vezes pior do que hoje. Tenham a coragem de dizer para a população que a morte não existe, que a vida continua, e que cada um pagará inexoravelmente por tudo que fizer de mal seja para quem for. Desse modo, os mais primitivos em evolução irão pensar mil vezes antes de praticar qualquer ato insano. Esse é o real caminho estreito, mas verdadeiro e objetivo. Tenham a coragem de incentivar as autoridades? … a colocar a filosofia espírita em todos os estabelecimentos de ensino e não deixar gerações e gerações sem qualquer fundamento religioso. Para alienar ainda mais, dão-se ao luxo de criar uma série de feriados católicos num país que se diz “laico”. É vergonhoso de mais. E para culminar ainda dão ibope às orgias e bacanais carnavalescos… assim, prezada Rosana Zaidan, o Brasil caminhará por mais quinhentos anos a passos largos em direção ao ponto de partida da sua descoberta. Isto tudo para lhe dizer que as soluções apresentadas por quem quer que seja estão na contramão da realidade. E a realidade precisa ser conhecida e dada a conhecer. Basta de ignorância, preconceitos, tabus, utopias e devaneios de toda a espécie. Entretanto, com tanta gente desempregada, bem que se poderia colocar um policiamento ostensivo através de guardas noturnos para vigiarem de verdade e não para dormirem, enquanto a sociedade não oferecer as condições de vida dignas para toda a população. Pretendo criar um centro inédito para abrigar e regenerar os moradores de rua desta cidade. Ninguém desse jornal, pelo menos, deu um ar da sua graça para apoiar essa causa. Assim caminha a humanidade. Sei que este texto não vai ser publicado, até pela sua dimensão, mas vai direitinho para o meu blog: www.albertomacorano.com.br

Alberto Maçorano

 

Posts Relacionados