Nessa semana iremos escrever um artigo a respeito da MEDIUNIDADE e também a respeito de CRESCIMENTOS. Porém, gostaríamos de deixar bem claro que nossa intenção é falar a respeito do crescimento moral aliado à mediunidade, 

oportunidade de trabalho com as muitas dimensões que compõem nosso Planeta e nosso universo.

Achei uma frase de Chico Xavier muito interessante: “A solidão é boa somente para refletir, porque, sem dúvida, fomos criados para viver uns com os outros”. A partir dessa sábia assertiva de Chico, entendemos que nós todos fomos criados com a mesmo finalidade de crescimento moral, espiritual e intelectual, e todos nós tivemos o mesmo início: o da simplicidade e ignorância.
Com o advento do Espiritismo Cristão, começamos a ver as grandes verdades que sempre existiram mas que ao longo dos milênios deixamos voluntariamente cair no anonimato. E entre elas está a mediunidade. A mediunidade não é algo novo, não foi inventada ou criada pelo Espiritismo. A Terceira Revelação apenas veio relembrar à humanidade de temas fundamentais para nossa existência nesse Planeta.

Chico Xavier, esse exemplo de homem, de cidadão, de religioso em que todos nos deveríamos e devemos seguir, através de suas mãos abençoadas, apresenta-nos o Espírito de André Luiz, o qual nos deixa outra frase muito interessante quando nos afirma: “Extirpa do campo de nossas almas a erva daninha da indisciplina e do orgulho, para que a simplicidade nos favoreça a renovação”.

Ora, essa recomendação nada mais é do que o pedido para deixarmos os ensinamentos de Nosso Senhor Jesus Cristo fazerem parte de nossa realidade, deixarmos a indisciplina de lado. E quando falamos de indisciplina, é na condição de médiuns que somos, envolvendo a família, envolvendo o trabalho, envolvendo as coisas que estão ao nosso derredor, que essa orientação se reveste de importância.

Muitas vezes não temos ideia do quanto a mediunidade exige vigilância, autocontrole, discernimento, disciplina, e procurando algo que pudesse nos ajudar a entender como funciona esse processo de atração através da mediunidade, recorremos a uma frase fantástica (que não é espírita) mas que tem tudo a ver com E espiritismo deixado por Allan Kardec e ampliado por Chico Xavier.

Trata-se da citação de Swami Paatra Shankara, um mestre oriental. Ele nos diz: “Mediunidade nos aproxima tanto da luz quanto das trevas. Se sabe ser médium, cuidado com seus pensamentos e atitudes. Luz atrai luz, escuridão atrai escuridão”.
Esse princípio exarado pelo mestre oriental é fundamental para a compreensão da mediunidade: nós iremos atrair as coisas com as quais estamos ligados em nosso cotidiano, através de nossos pensamentos, de nossas atitudes, de nossa postura mediante a um problema que nos envolve ou envolve algo próximo.
O bonito da mediunidade é que depende única e exclusivamente de mim escolher as companhias espirituais que eu quero para perto, sem nos esquecer que Jesus nos afirmara: “Todos vós sois deuses; façais brilhar a luz de vossos corações”.

Está na hora de vigiarmos um pouquinho mais; está na hora de nos policiarmos um pouquinho mais, pois o esforço de hoje gerará suas consequências naturais no amanhã.

E para finalizar: mediunidade é sim sinônimo de trabalho. Mas para nos tornarmos bons médiuns, é necessário que procuremos a instrução deixada pelo nosso Codificador Allan Kardec, quando nos apresenta duas máximas imorredouras: “Espíritas amai-vos e instruí-vos”.

André Luis Chiarini Villar

Postado por Ana Maria Teodoro Massuci, em 27/05/16, na Rede Espirit Book