O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) manteve arquivada uma representação contra o juiz Sergio Moro por causa da divulgação de grampos envolvendo autoridades com foro privilegiado, como a ex-presidente Dilma Rousseff. A decisão foi proferida nesta quinta-feira, por 13 votos a 1. No caso em questão, um grupo de dezenove advogados havia feito reclamação sobre a conduta do magistrado à Corregedoria em abril deste ano, mas o pedido foi arquivado em junho. A decisão da Justiça desta semana mantém a decisão do corregedor-regional da 4ª Região.

Leia também:

STF anula grampo entre Lula e Dilma e envia para Sergio Moro investigações contra ex-presidente

Moro pede desculpas ao STF por “polêmica” de grampo e nega que divulgação teve finalidade política

Para o relator do processo no TRF4, desembargador federal Rômulo Pizzolatti, não há indícios de prática de infração disciplinar por parte de Moro. Em sua decisão, o desembargador afirmou que, por seu caráter inédito, a Lava Jato escapará das regras dos “casos comuns” em algumas situações.  

“É sabido que os processos e investigações criminais decorrentes da chamada operação ‘lava jato’, sob a direção do magistrado representado, constituem caso inédito (único, excepcional) no Direito brasileiro. Em tais condições, neles haverá situações inéditas, que escaparão ao regramento genérico, destinado aos casos comuns.”

Os advogados pediam o afastamento de Moro e instalação de processo disciplinar contra ele por considerarem que ele agiu de forma ilegal ao não preservar o sigilo dos envolvidos ao divulgar áudios da Lava Jato. Parte dos grampos da investigação haviam sido anulados pelo ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), em junho deste ano.

Entre eles uma gravação em que a ex-presidente Dilma Rousseff discutia com o ex-presidente Lula o envio de um termo de posse como ministro da Casa Civil “em caso de necessidade” . Na mesma decisão, Teori determinou o envio de processos e investigações envolvendo o petista à 13ª Vara Federal de Curitiba, onde atua o juiz Sergio Moro.

Arquivado em:Brasil, Política

Nosso comentário: essa é a justiça brasileira… Um peso e duas medidas… São esses os tais que se julgam acima da lei. Por ser o senhor Moro, pode fazer o que bem entende, mesmo que através de ação criminosa com  foi o grampo de Dilma e Lula. É esse o exemplo de um juiz com essa responsabilidade? É essa a ética da justiça brasileira? Como pretendem moralizar os outros se eles próprios cometem crimes como essa gritante ofensa à ordem pública, como foi o grampo de Lula e Dilma? Não nos façam passar por alienados mentais. Por favor, respeitem a ética e a moral de quem a pratica. 

Alberto Maçorano