Governo começa a punir deputados ‘infiéis’…

O governo começa hoje a demitir indicados de deputados da base aliada que votaram contra a reforma trabalhista na Câmara. Em reunião realizada ontem com ministros e líderes, no Palácio da Alvorada,o presidente Michel Temer disse que quem está com o governo tem bônus, mas também ônus e avisou que será preciso dar o exemplo, com cortes de cargos, para impedir que novas traições prejudiquem a votação da reforma da Previdência.

As mudanças na aposentadoria começam a ser analisadas amanhã por uma comissão especial da Câmara. A expectativa do Palácio do Planalto é de que até julho a proposta tenha passado pelo plenário da Câmara e do Senado, mas esse calendário deve atrasar porque a base aliada está rachada e há muitas resistências à proposta.Segundo apurou o Estado, as demissões que sairão no Diário Oficial a partir de hoje atingirão cargos em órgãos federais nos Estados. Entre os atingidos estão deputados do PR, PP, PSB e até do PMDB, partido de Temer. Os cargos maiores, como ministérios e presidências de fundações, só serão retirados se houver infidelidade na votação da reforma da Previdência.O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, considerou “normal” a reação da sociedade à proposta de mudanças na Previdência. “Se alguém me fala que vai me tirar um direito, eu fico bravo, com razão”, disse Meirelles ao comentar as manifestações de sexta-feira e de ontem, contra as reformas propostas por Temer. “Agora, é preciso dizer a verdade para a população, que o Brasil, se continuar do jeito que está, não vai pagar as contas.”

O líder do governo na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), afirmou que o momento, agora, é de “consolidação” da base aliada. “Nós temos convicção de que possuímos maioria ampla na comissão especial da reforma da Previdência”, disse Ribeiro. Para ser aprovado, o texto precisa de 19 dos 37 votos.

O ministro da Secretaria de Governo, Antonio Imbassahy, afirmou que o governo terá de fazer “os necessários ajustes” para evitar uma contaminação na base que amplie a dificuldade em torno da reforma da Previdência. “É preciso tirar a laranja podre do cesto”, disse ele, antes da reunião de ontem com Temer, no Alvorada.

 

Nosso comentário: viram só, esse é o senhor Temer que traiu o governo Dilma e agora vem com “lições de moral”, dizendo  … para impedir novas traições … ´E essa a interpretação da democracia pelo senhor Temer. Investido no cargo através do maior golpe “democrático”… levado a cabo na governabilidade deste mártir Brasil… Por isso sem legitimidade para governar. Essa é a conclusão mais simplista e racional para qualquer mente equilibrada e desprovida de preconceitos e fanatismos. E, pasme-se, enquanto Dilma não está ligada a qualquer vento de corrupção. Este pseudo-governo está infestado por um bando de marginais e corruptos de elevado quilate, a começar pela presidência.

Está preocupado com o caixa da previdência, mas nem um mínimo preocupado com os salários milionários auferidos pela tropa governamental, sem falar nas mordomias. Então para dar o exemplo de que ela fala, teriam que reduzir salários e mordomias a todo o nível governamental, começando por ele próprio. Talvez não saibam muitos, porque os tubarões atuam nos bastidores… Vi ontem uma notícia na televisão que o senhor Sarney, sabem quem é ele! Tem duas aposentadorias de cerca de quarenta mil reais e anda em busca de uma terceira com mais cerca de vinte mil reais. Dá para acreditar? Como esses fantoches podem ter moral para cortar direitos e regilas daqueles que lutam pela sobrevivência?

Sem mais comentários…

Alberto Maçorano

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *