Em Gutenberg, falecida revista publicada pela FUNPEC, o cientista Sérgio Ferreira afirmou que sempre teve uma visão lúdica da ciência.

                Para o descobridor da bradicinina, presidente da SBPC e um dos quatro brasileiros da National Academy of Science, “ciência se faz quando se quebra um dogma.Apertar botão de máquina não é fazer ciência. Fazer genoma não vai resolver o problema da humanidade, quem resolve os grandes problemas biológicos ainda são os cientistas que fazem as perguntas corretas”.

                Segundo ele, “fazer ciência” é desenvolver a curiosidade: “nós temos dois tipos de analfabetismo: o real, dos que não sabem ler, e o científico, que ocorre quando a interpretação da vida não é feita pela pergunta fundamental (como?), mas se procura a resposta em dogmas, que cada um define como quer e fica valendo como conhecimento”.

                Ferreira criticava quem dizia que a Universidade teria de se abrir para ajudar a indústria a crescer. Essa é uma das maiores mentiras da história.  É a mentira neoliberal de não fazer desenvolvimento”. Completou: “atualmente somos vítimas da mídia, da corrupção, do dinheiro que compra nosso voto. Se isso for transformado, talvez a gente possa dar a volta por cima”.

                A entrevista aconteceu em junho de 2003. Sérgio Ferreira terminou dizendo: “sou um FNM na banguela. Estou numa descida, não tão calmo e tranquilo, porque não tenho breque.  O meu problema agora é fazer a curva, não deixar embalar muito, para ver onde é o fim da estrada”.

Fez a curva certinho e se não viu o fim da estrada abriu caminhos.

Júlio Chiavenato 
Ribeirão Preto, 22/07/16 
chiavenato@jornalacidade.com.br 

Nosso comentário: meu caro Chiavenato, a visão científica das coisas é muito problemática e polémica quando encarada simplesmente pelo aspecto puro da ciência. Não concordo com a afirmação de que: “quem resolve os grandes problemas biológicos ainda são os cientistas que fazem as perguntas corretas”.

                Até podem fazer as perguntas corretas, mas jamais dirão as respostas corretas. Por acaso a ciência dá resposta aos mecanismos biológicos da vida? Por acaso, a ciência dá resposta aos mecanismos existenciais? Vou transcrever um pequeno texto do Evangelho Segundo o Espiritismo, para uma melhor compreensão entre ciência e religião: aliança entre a ciência e a religião: a ciência e a religião são as duas referências da inteligência humana; a primeira revela as leis do mundo material; a outra, as leis morais. Com o mesmo princípio, que é Deus, elas não poderão entrar em contradição. Se a ciência tiver razão em relação a algum fato, a religião também terá que ter. Se isso não se verificasse, Deus seria incoerente. A incompatibilidade entre a ciência e a religião deve-se ao fato de cada uma querer ser dona exclusiva da verdade, gerando um conflito que origina a incredulidade e a intolerância entre ambas.

                São chegados os tempos em que os ensinamentos de Jesus precisam ser atualizados, retirando-se o véu que ainda existe em algumas partes. A ciência, deixando de ser exclusivamente materialista, deve levar em conta o elemento espiritual, e a religião deve reconhecer as leis orgânicas e imutáveis da matéria, para que essas duas forças, apoiando-se mutuamente, possam caminhar juntas. Desse modo, a religião não sendo desmentida pela ciência, conquistará uma força maior, porque estará de acordo com a razão, e poderá ser comprovada cientificamente.

                                      A ciência e a religião não se entenderam ainda, porque cada uma analisa as coisas do seu próprio ponto de vista, repelindo-se mutuamente. Seria preciso alguma coisa para suprir as suas divergências, algo que as aproximasse. Essa convergência só poderia resultar do conhecimento das leis que regem o mundo espiritual e suas relações com o mundo físico, leis tão coerentes como as que regem o movimento dos astros e a existência dos seres. Constatadas essas relações pela experiência, uma nova luz resplandeceu: a fé dirigiu-se à razão e esta nada encontrou de ilógico na fé, e o materialismo foi vencido. Entretanto, como sempre acontece com os novos conhecimentos, existem pessoas que, por não os entenderem, procuram resistir e obstruir, em vez de compreendê-los.

Alberto Maçorano