“Homens, por que lamentais as calamidades que vós mesmos amontoastes sobre a vossa cabeça?” Adolfo (espírito), em O Evangelho segundo o Espiritismo, cap. 7, item 12 

MUNDOS E sóis, com seus sistemas que desfilam na família universal, funcionam como educandários, escolas de ascese espiritual para as consciências em estado de evolução. Considerando o vocabulário humano, pode-se afirmar que os planetas, com suas humanidades, representam estágios e campos de aprimoramento da consciência espiritual que se lança no grande caudal cósmico da evolução. Esses mundos dispersos no espaço são o palco de dramas, poemas de amor, universidades siderais, oficinas de trabalho, templos da sabedoria.

Desempenham funções que estais longe de compreender, e, apesar das observações de vossos cientistas, não guardais a idéia verdadeira a respeito da natureza sideral ou espiritual dessa família cósmica. Iniciando-se nas primeiras manifestações da inteligência, após eras de aperfeiçoamento nas expressões primitivas, o espírito elabora a consciência através de mil formas e mil vidas, no palco amplo dos mundos que a Sabedoria Infinita localizou no seio do cosmos.

Cada mundo, cada planeta do universo guarda em si
possibilidades de crescimento que serão exploradas pelas
humanidades siderais. Muitas vezes, quando observais certos mundos que vos parecem um astro morto ou que não oferecem condições para o desenvolvimento da vida como a conheceis, esquecei-vos de que a mesma vida que prodigaliza muitas formas de expressões em vosso próprio mundo pode se manifestar de formas e com bases diferentes daquelas que caracterizam as espécies observadas em vosso plano.

Assim sendo, podeis utilizar vosso pensamento para imaginar outras formas de expressão da consciência manifestarem-se em vibrações ou campos diferentes daquele em que ora existis. A vida 16 não se manifesta no universo sobre as mesmas bases que são observadas em vosso mundo.

Outras formas, outros campos energéticos se desdobram além da vossa dimensão e servem de base para a vida no universo. Nem mesmo podeis afirmar que o mesmo ar, a mesma composição química respirável por vossa humanidade terá que ser a mesma para outras manifestações da consciência, em outros corpos, em outros mundos.

A variedade infinita de mundos e seres, campos e dimensões não tem como base o acanhado modelo terrestre. Essas escolas siderais, como as vossas escolas terrestres, passam periodicamente por processos seletivos que definem o padrão evolutivo de cada mundo, visando a um maior aproveitamento daqueles que fizeram jus a um estágio mais elevado, em virtude do próprio esforço e dedicação.

Aquelas consciências que não alcançaram a média evolutiva exigida para a permanência na escola sideral, por se mostrarem incompatíveis com o estado evolutivo dessa humanidade, são transferidas de escola planetária, reiniciando o seu aprendizado em outros mundos, outros orbes do espaço, em que possam encontrar clima propício para o seu crescimento, sempre de acordo com a lei das afinidades.

O vosso mundo, igualmente, passa por um desses períodos, que denominais juízo e que, para nós, significa apenas uma adequação a novas etapas evolutivas. A consciência cósmica começa a se realçar em vossa humanidade. Conceitos cada vez mais universais, holísticos, cósmicos manifestam-se em vossos pensamentos, inaugurando um período diferente na mentalidade de vosso mundo, preparando-vos para a era de amor universal, para a consciência cósmico-sideral.

Assim, estareis aptos a entrar em contato com outras formas de vida, outros irmãos vossos mais experientes, que mais tarde influirão na futura civilização do vosso mundo. O velho sistema, com seus representantes e aqueles que se sintonizam com ele, está passando, por se demonstrar falho, limitado e não servir mais à necessidade evolutiva do planeta. Outra mentalidade, outra proposta, mais universalista, está agora surgindo do meio do caos aparente onde se sepulta o velho mundo, as velhas e acanhadas concepções que determinam o fim de um processo evolutivo de vosso planeta. Junto com esse mundo velho, essas consciências que não amadureceram, finda um período sideral, e essas almas não encontram mais guarida no solo abençoado do planeta Terra. E necessária a mudança de escola.

Que continuem seu aprendizado em mundos compatíveis com o grau evolutivo íntimo, que decide a localização geográfica ou dimensional de cada espírito, nesse processo seletivo geral. E aqueles que receberam o aval de suas consciências, quanto ao seu próprio desenvolvimento espiritual, cósmico, permanecerão na escola planetária, em melhores condições, para inaugurarem a nova civilização, sob uma atmosfera mais espiritualizada.

Essa hora seletiva é muito importante para todos vós, pois todos os esforços, todas as potências adormecidas ou apenas manifestadas isoladamente em outras épocas eclodem em conjunto, em vosso tempo, formando um clima psíquico, social, espiritual que faculta a manifestação da verdadeira realidade íntima de cada um.

Epidemias, enfermidades, guerras, a sede de poder, o domínio das consciências, a prolifera ação de seitas e religiões estranhas, as filosofias absurdas e os conflitos sócio- econômicos de vossa geração formam a atmosfera fervente na qual se manifestará a condição interior de cada indivíduo, assim como das coletividades terrestres.

É um processo necessário para a definição dos valores e a afirmação dos princípios que marcarão a partida de uma parte de vossa humanidade e a permanência de outra parcela de vosso povo.

Sobre as cinzas das tristes realidades humanas, erguer-se-á a nova civilização planetária, mais madura, mais experiente, mais universalista e moralizada, pois, sob o fogo dessas experiências dolorosas que marcam a hora presente de vosso mundo, forja-se um novo homem, uma nova raça, um novo tempo.

Podemos considerar que o drama evolutivo pelo qual passa o vosso mundo funciona como o parto de um novo ser, a gestação da nova Terra 17 , renovada e integrada à comunidade de mundos mais felizes.

( 16 Vida – As formas de vida que conhecemos na natureza são baseadas em cadeias carbônicas, e tudo aquilo que conhecemos é composto pelos elementos dispostos na tabela periódica. Aquilo que para nós é letal pode ser meio fértil de vida para outros seres, regidos por outro modelo ou organização biológica. Um bom exemplo se dá com os seres anaeróbicos, para os quais o oxigênio — gás vital para a maior parte dos seres vivos na Terra — chega a ser fatal, em alguns casos. Portanto, enquanto o homem buscar vida com instrumentação elaborada a partir da vida orgânica tal qual a conhecemos, somente será possível diagnosticar vida dentro desses mesmos padrões. Rubem Alves compara as hipóteses, teorias e modelos científicos a redes e anzóis: o peixe apanhado será somente aquele que se encaixar nos padrões estabelecidos por esses instrumentos — todos os outros animais escaparão. O anzol escolhe o seu peixe (ALVES. 1996.cap.6,p.86-100)

(17 Nova Terra – Em A Gênese (cap. 17, itens 62 a 67), Kardec demonstra com propriedade a teoria dos juízos periódicos e, logo a seguir (cap. 18), analisa, apesar de encontrar-se ainda em 1868, os lances na Idade Contemporânea que apontam para o momento de transição ao qual se refere Zarthú. Estêvão, companheiro
espiritual de Zarthú, igualmente analisa esses aspectos a partir do livro Apocalipse, de João (SANTOS, 2000), bem como o espírito Emmanuel, que discorre acerca do momento de emergência da humanidade, ainda às portas da Segunda Guerra Mundial (XAVIER, 1939).

Fonte – Gestação da Terra (psicografia Robson Pinheiro, espírito Alex Zarthú

Postado por Ana Maria Teodoro Massuci, em 08/04/18, na Rede Espirit Book