Educação e saúde são os dois pilares que sustentam o desenvolvimento de qualquer país que pretende tratar com dignidade o seu povo.

Sem educação não há progresso científico, tecnológico, cultural, e as pessoas têm dificuldades para entender a realidade económica e social. Populações sem condições sanitárias, medicina preventiva e tratamento médico apresentam baixa produtividade, além do sofrimento dos mais pobres.

                Até à década de 1960 o Brasil priorizava a educação básica. Com o golpe militar priorizou-se o ensino superior. Surgiram inúmeras faculdades particulares, a maioria de baixa qualidade. A escola pública foi sucateada. A queda na qualidade do ensino afetou dramaticamente a juventude.

                Na saúde, nunca tivemos boa qualidade. Com a explosão populacional e as migrações internas, mais o envelhecimento da população e a incompetência dos municípios de gerirem o SUS, além da corrupção, estamos à beira do caos.

                É fácil perceber que, na base dos problemas brasileiros, estão educação e saúde. Mas o governo cortará verbas justamente nessas áreas que exigem maiores cuidados e investimentos. O governo dá mais importância à contabilidade do que às necessidades reais do desenvolvimento.

                Justamente porque a educação é falha e a saúde precária, o brasileiro não consegue entender que a crise fundamental não é a “força económica”, mas a desigualdade entre ricos e pobres: os ricos ficam cada vez mais ricos com a concentração de renda. Nosso grande problema é a incapacidade dos políticos entenderem como se constrói uma nação, e da inércia do povo diante da calamidade pública.

Júlio Chiavenato 
Ribeirão Preto, 13/07/16 
chiavenato@jornalacidade.com.br

Nosso comentário: senhor Chiavenato, tenho muitas colunas suas atrasadas, por simples falta de tempo para responder, mas irei esmiuçá-las uma por uma, por entender serem de extrema importância para o alerta social, aproveitando a coluna do leitor quando se tem a sorte de alguém selecionar realmente as mais importantes no âmbito social, mas, aproveitando também o meu pequeno canal de comunicação: www.albertomacorano.com.br.

                Só um alienado político e religioso não consegue vislumbrar o supremo impacto do incremento da educação nas hostes de uma nação. Os países mais avançados do mundo são consequência do elevado índice educacional que tiveram por base elevados investimentos.

O Brasil caminha na contramão desses princípios, sempre caminhou, excetuando-se circunstâncias pontuais. O resultado é visível até para os “daltónicos”. E ainda dizem alguns “atrasados mentais” que o atraso do Brasil se deve à colonização portuguesa… Piedade, Deus, pela santa ignorância!

 

Alberto Maçorano