Abençoar foi uma prática para muitos em tempos passados.  Os pais abençoavam os filhos.  O agricultor abençoava os campos para que fossem férteis e assim por diante.

Por que é tão cercado por melindres, hoje, o senso comum sobre abençoar?  “Só Deus pode dar bênçãos, só Deus pode abençoar.” Dirão alguns. Deus, sem dúvida, tem muito a ver com a benção, se não, não seria uma benção na verdade.  Mas tal pensamento traz o ranço dos muitos séculos sob a batuta de clérigos e do clero, de um modo geral, monopolizando durante todo esse tempo o direito de abençoar.

Quando sabemos que qualquer ser humano que possa ter e experimentar ligação com Deus, pode abençoar.  Atualmente, tal concepção voltou à baila.  Esperemos que a abertura dos processos de instrumental sagrado – para quem é sincero e devoto de verdade – possa trazer bem-aventurança real para todos e que Jesus Cristo seja o único mediador entre o ser humano e Deus; conforme rezam os próprios sacerdotes que gozam de consciência divina verdadeira.

Mauricio Antonio Veloso Duarte (Swami Divyam Anuragi)

 

Postado por Maurício António Veloso Duarte, em 22/02/17, na Rede Espirit Book