Temos que falar aquilo que pensamos, mas temos que pensar naquilo que falamos!  (Platão)

Atente para o conto abaixo:

Por volta de 2000 anos a.C., um mercador grego, muito rico queria dar uma banquete com comidas especiais para convidados especiais.  Tratou de chamar seu mais eficiente escravo e ordenou-lhe que fosse ao mercado comprar as melhor e mais deliciosa iguaria.

O escravo voltou com um belo prato, coberto com fino pano. O mercador grego removeu o pano e assustado disse:

– LÍNGUA?  Este é o prato mais delicioso?

O escravo, sem levantar a cabeça, respondeu:

– Senhor, A LÍNGUA é o prato mais delicioso, sim senhor.  É com a língua que você pede água, diz os primeiros papai e mamãe, faz amizades, conhece pessoas, distribui bens, perdoa.  Como a língua você conquista, reúne as pessoas para se comunicar, diz Meu DEUS, ora, canta, conta histórias, faz negócios e diz eu te Amo.

O mercador não muito convencido quis testar a sabedoria do seu escravo e o enviou novamente ao mercado ordenando-lhe agora que comprasse o pior e mais ruim de todas as iguarias.

Voltou o escravo com um lindo prato, coberto por fino tecido, que o mercador retirou cuidadosamente, ansioso para conhecer o alimento mais repugnante.

– LINGUA, outra vez, disse o mercador grego muito espantado.

– Sim, LINGUA, diz o escravo:

– É a LINGUA que condena, separa, provoca intrigas e ciúmes.  É com ela que você blasfema e manda para os piores lugares.

A língua expulsa, isola, engana o irmão, responde para os pais.

A língua declara guerra!  É com ela que você pronuncia sentença de morte.

Não há nada PIOR que a LINGUA, não há nada MELHOR que a LINGUA.

Depende o USO que faz dela.

Segundo a fonoaudióloga Elen Campos Caiado, o pensamento precede a linguagem, onde as imagens mentais, segundo estudiosos, são cópias ativas da realidade que é organizada pelo cérebro.

Kardec nos assevera que:  Quando o pensamento está em algum lugar, a alma está também, uma vez que é a alma que pensa. O pensamento é um atributo da alma. (L.E. questão 89) [grifo nosso].

Somos na essência aquilo que pensamos, pois nossos pensamentos podem se concretizar em ações, dependera do uso da vontade que é uma espécie de gerente máxima dos nossos pensamento.

Baseado nisso podemos entendem melhor o que Allan Kardec discorre com o tema:  Causas atuais das nossas aflições, onde:  Quantos homens caem por sua própria culpa!  Quantas pessoas arruinadas por falta de ordem, de perseverança, por mau comportamento. (ESE cap V), e podemos estender ao grau de responsabilidade que temos dentro das causas atuais mediante uso da nossa língua.

Se se pudesse suspeitar do imenso mecanismo que o pensamento aciona e dos efeitos que ele produz de um indivíduo a outro, de um grupo de seres a outro grupo e, afinal, da ação universal dos pensamentos das criaturas umas sobre as outras, o homem ficaria assombrado! (Obras Póstumas, Primeira Parte. Fotografia e telegrafia do pensamento).

Por isso que no evangelho apócrifo de Tiago nos afirma 3:6 que: A língua também é um fogo; como mundo de iniquidade, a língua está posta entre os nossos membros, e contamina todo o corpo, e inflama o curso da natureza, e é inflamada pelo inferno.

Concluindo temos que nos acautelar mais e policiar nossos pensamentos para que palavras carregadas de sentimentos negativos não nos comprometam ainda mais. Lembre-se VIGIAI E ORAI (Mt 26:41)

 

Allê De Paula 

Autor:

Allê De Paula é Fisioterapeuta/ Ed. Fisico, Trabalhador da A. E. Paulo de Tarso em São José do Rio Preto/SP e Orador Espirita. Apresenta nas terças-feiras as 21h30 estudo online “O que é o Espiritismo” através da Rede Amigo Espírita.
E-mail : alexpjr@terra.com.br

 

Publicado por Amigo Espírita em 07/03/17