Como anda a tua vida? Não sou eu que quero saber. É a pergunta que deveríamos fazer todos os dias ao levantar, ou é a pergunta que cada um deveria fazer quando se fosse deitar. Como anda a minha vida? É! … Seria algo importante saber tudo aquilo que está ocorrendo no teu dia a dia. Quais foram os minutos que te trouxeram maior alegria e felicidade? O que foi que te provocou e te levou a situações melancólicas e tristes? O que te tornou oponente do teu inimigo? O que te fez digladiar com a própria vida ou com o teu próprio espírito? O que te fez não confiar? Será que não tinhas uma confiança plena quando desconfiastes? Será que as palavras que dissestes serviram para te estimular ou trazer maior desterro. É! … A vida renova-se todos os dias com as esperanças, assim tenhamos plenas condições de fazê-lo. As esperanças renovam-se quando temos motivos para tal, e quando estamos com o nosso interior em estado de graça. Caso contrário, não se renovam, e a sisudez começa a fazer parte de ti, tornando-te agressivo e sem flexibilidade, acabando por provocar-te situações indelicadas que fatalmente induzirão a achar um grande culpado, quando, na realidade, o único culpado foi vc. Mas, o que é que queremos dizer com tudo isto? Tudo o que fazemos na vida, acaba por ter um teor bíblico e se fores buscar lá… em Moisés, verás que a tua vida tem grande parte daquele povo hebreu sofrido, mas, se estás sendo perseguido, é preciso livrares-te da perseguição e teres na tua vida um grande “Moisés” para que possa abrir-te o mar como ele abriu o mar vermelho, para que o consigas atravessar; mas para que o atravesses é preciso que a fé seja maior, porque se a tua fé não for gigante haverá de sucumbir nas águas. Naufragarás nas águas da tua própria ignorância, da tua própria falta de conhecimento, da falta do perdão, e da tua descrença em Deus. Dizer que cremos em Deus é simples; mostrar com efetividade, a verdadeira crença nele,  é muito difícil. Eu mostro que confio em Deus quando o maior obstáculo toma conta da minha vida e eu não arredo pé da minha fé nesse Deus. Eu não jogo a culpa das minhas consequências nesse Deus. Eu não jogo em Deus a culpa da minha fraqueza. Eu não jogo em Deus a culpa da minha irresponsabilidade. Eu assumo aquela verdade e eu luto para que esse Deus reconheça em mim um grande lutador, porque só consegue chegar à verdadeira vitória o grande lutador. Mas, se nesse meio houver talvez um grande knockout, antes da contagem até dez, vc deverá levantar-se e, com fé nesse Deus novamente lutar. Se apanhaste tenta não apanhar de novo. Não fiques satisfeito com a derrota. Não fiques satisfeito nem com um empate na luta da vida. Deus te criou para vencer e para vencer é preciso buscar a verdadeira fé. Eu te pergunto então e deixo no ar para que  faças a tua pergunta durante a semana, olhando para ti próprio. Por quantas vezes foi aberto o mar da tua vida para que pudesses atravessá-lo com toda a garantia e certeza de vencer a luta? Por quantas vezes acertastes, ou então, por quantas vezes sucumbistes? Pensa, analisa, releva e volta a crer. Deus aguarda a tua fé. Que ele fique com todos vocês. Uma boa noite!

Psicofonia de Claudinei Fernando Mischiati
Ditado pelo espírito Willians de Paula Ferreira
Sociedade Espírita Beneficente e Assistencial Vóvó Deolinda
Ribeirão Preto, 26/06/2015

Em breve postaremos o áudio da palestra no You Tube

 

 

Posts Relacionados