Um fato contado por Nena Galves, amiga de Chico Xavier:
“Chico Xavier foi operado no Hospital Santa Helena em São Paulo, em 30 de agosto de 1968.
Era uma noite de inverno, o frio era intenso, mantínhamos uma calma aparente, mas as expectativas nos atemorizavam.
Chico fez sua recomendações com orientações para nosso procedimento caso desencarnasse.
Trazia embrulhado um pacotinho que deu ao Galves (meu marido). Suas economias, segundo ele, para pagar a cirurgia e as despesas do hospital. Galves guardou o dinheiro com lágrimas nos olhos.
Chico apenas nos pedia proteção e carinho numa hora tão difícil.
Em princípio, ele seria operado da próstata, mas o plano espiritual encarregou-se de também liberar Chico de uma hérnia da qual era portador há bastante tempo. Assim foi feito. Chico foi beneficiado na mesma oportunidade com retirada de várias seqüelas provenientes dos maus tratos na infância, quando sua madrinha, uma pessoa doente, como classificava Chico, espetava-lhe garfos no abdômen.
O inverno era bastante rigoroso, mas o quarto permanecia sempre aquecido sem que para isso precisássemos recorrer à aparelhagem apropriada. Mais tarde, Chico nos relatou que os espíritos benfeitores revezavam-se, em contínua vigilância, para preservar o ambiente de qualquer interferência menos benéfica a seu restabelecimento.
Chico manifestou o desejo de agradecer aos funcionários mais humildes, que muito haviam colaborado para seu bem estar em um período tão difícil. Pediu a Galves que adquirisse e lhe trouxesse ao hospital, dez dúzias de rosas coloridas.
Amparado por Galves e Suzana dirigiu-se à enfermaria, à cozinha, à portaria e a agradecer as preces feitas em seu favor, oferecia rosas e beijava as mãos de quem lhe haviam servido em anonimato.
Um perfume vindo do plano espiritual exalava a cada beijo ou gesto de Chico, era também um agradecimento dispensado por ele.
Voltou ao leito cansado, com lágrimas nos olhos e o coração agradecido. Os corredores e demais dependências por onde Chico havia passado permaneceram perfumados por um bom tempo.
Este é um dos muitos momentos que nos revelam a grandeza espiritual deste médium.
Quando Chico estava no leito, impossibilitado de movimentar-se, todos sentíamos este perfume que exalava de suas roupas, de seus travesseiros, do copo onde ele encostava seus lábios, enfim, em tudo que ele tocava.
Quando orávamos em seu favor, as rajadas de perfume que recebíamos eram mensagens que os espíritos nos mandavam em agradecimento, assegurando-nos que estavam conosco.
Muitos amigos quiseram colaborar no custeio à cirurgia, mas foi desnecessário.
Antes que fosse efetuado o pagamento das despesas hospitalares e profissionais, elas foram totalmente dadas por acertadas. O Hospital Santa Helena, por meio de sua diretoria, nada cobrou pelos procedimentos e hospedagem. Os médicos fizeram questão de nada cobrar, também.”

Do livro: Até Sempre Chico Xavier
De: Nena Galves

Postado por Ana maria Teodoro Massuci, em 22/06/17, na Rede Espirit Book