Betty Faria consola Gloria Perez em missa dos 25 anos da morte de Daniela Perez …

Gloria Perez foi consolada por Betty Faria durante a missa que lembrou os 25 anos da morte de Daniela Perez, filha da autora. 

A cerimônia foi realizada nesta quinta-feira (28), em igreja de Ipanema, na Zona Sul do Rio. 

A atriz foi assassinada aos 22 anos a golpes de tesoura pelo então casal Guilherme de Pádua e Paula Thomaz em um matagal da Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio, ao sair dos estúdios Tycoon. Na época, a atriz era par romântico do ator na novela “De Corpo e Alma”, escrita por Gloria. Em abril do ano passado, a novelista e Raul Gazolla, casado na época com Daniela, ganharam processo de R$ 440 mil do hoje pastor evangélico. Fãs da atriz também estiveram na missa e confortaram a autora.

LEIA MAIS: Há 25 anos morria Daniela Perez; relembre o caso que chocou o país

‘Filho não se conjuga no passado’, disse Gloria

Horas antes da missa, Gloria já havia feito uma nova homenagem à filha. “Vinte e cinco anos é menos que 25 dias, que 25 horas, que 25 segundos. Filho não se conjuga no passado!”, escreveu a autora em seu Instagram. Ela compartilhou fotos da filha, que atuou em novelas como “Kananga do Japão” (1989, na extinta TV Manchete), “Barriga de Aluguel” (1990) e “O Dono do Mundo” (1991).

 

Nosso comentário: outro caso típico de ignorância, autoritarismo e, sobretudo, falta de Deus, de verdade. Não é simplesmente comparecer numa missa ou entrar em uma igreja que se tem Deus no coração. Aliás, quem souber o mínimo de religião saberá forçosamente os mandamentos de Deus, que sequer vou repetir e aquela máxima de Jesus a quem nos ofendeu: “perdoar setenta vezes sete vezes…” Isto é o mínimo que se pode exigir de quem pretende ser religioso e o mínimo que se deveria exigir a quem pisa uma igreja.

Fato consumado há 25 anos e ainda com a alma cheia de ódio e rancor. Não é isso que jesus nos ensinou Glória Peres. Como se costuma dizer: “o conhecimento liberta da ignorância”… Nada vai trazer a sua filha de volta nesta vida. E ela, nem ninguém morre. O espírito continua na sua trajetória espiritual, seja qual for o tipo de desencarne.

A senhora, como autora de grande gabarito, se tivesse realmente Deus no seu coração, deveria ter procurado um centro espírita e saber a realidade dos fatos, o porquê disso ter acontecido. Já se fizeram tantas novelas na Globo de fundo espírita mas poucos colocaram em prática esses pressupostos, poucos seguem o espiritismo. Como ia dizendo, a senhora com o grande esclarecimento que tem, deveria ter enveredado pelo caminho espírita, que é o único caminho existencial de fato, ter perdoado publicamente esse infeliz irmão, abrir mão de qualquer indenização e fazer uma novela com uma trama espírita desse teor para esclarecer e informar verdadeiramente o obscurantismo que ainda campeia por toda a aparte.

Isso sim, só faria bem para a senhora e para o espírito da sua filha e, porque não para os “assassinos”. 

Essa deveria ser a sua real postura perante o desfecho de tão fatídico episódio e não choramingar durante 25 anos, com o coração cheio de ódio e rancor…

Se tiver coragem e se se despir de todos os preconceitos ainda estará em tempo de reverter essa infeliz postura…

Alberto Maçorano

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *