Se Ribeirão Preto sofre uma grave crise na Saúde, com notícias diárias sobre a insatisfação popular, o que acontece nos cafundós do País?

                A resposta é fácil: uma tensão que se transforma em tragédia para muita gente. Na origem dessa conjuntura pontificam a corrupção e a incompetência, com o agravante de sempre: não há planejamento e as obras e a contratação de pessoal obedecem ao interesse político.

                Em Ribeirão Preto há projetos parados, prédios abandonados e unidades de atendimento médico em estado precário. Mas, no Brasil existem 1158 unidades dos SUS, novas, prontas, que nunca foram abertas – apesar da “inauguração” de algumas para propaganda eleitoral. Estas unidades custaram mais de um bilhão de reais.

                Quanto às UPAS, melhor equipadas, 538 funcionam, mal ou bem, mas 175 já construídas estão fechadas porque não há dinheiro para custear o serviço. Os recursos deveriam vir da União, Estado e Prefeitura. Mas todos alegam não ter verbas.

                Na Saúde tudo o que funciona necessita de mais gente, recursos e melhor organização. Os políticos não se cansam de repetir sua preocupação, mas na prática cotidiana pouco se importam com o drama. Como em todas as áreas a Saúde é alvo de corruptos e dos escândalos mais cabeludos.

                É possível constatar que, gastando-se mais de um bilhão para a construção de prédios e equipamentos, as verbas destinaram-se principalmente a abastecer empreiteiras que se valeram de licitações nem sempre limpas, para o superfaturamento e Caixa 2 dos partidos. O mais estranho (ou nem tanto) é que estas informações nada mudam: a corrupção continua solta, o povo sofre, e quem sabe o que acontece acha que é assim mesmo.

Júlio Chiavenato
Jornal “A Cidade”, Ribeirão Preto, 06/05/17
quiavenato@jornalacidade.com.br

Nosso comentário: mais uma vez caro Chiavenato, é digno de ser parabenizado, pela sua competência, pela sua capacidade, e pela sua superior informação, mas, como você mesmo disse, não obstante e, apesar de tudo, “a corrupção continua solta, o povo sofre, e quem sabe o que acontece, acha que é assim mesmo.

                Fazer o quê, salvo honrosas e dignas exceções, como o nosso caso, “o povo é quem mais ordena” como diz a famosa canção “Grândola vila morena” do não menos famoso Zeca Afonso, que serviu de senha para o início da revolução dos cravos em Portugal nos idos de 1974. Quem tem a culpa não são os políticos ou pseudopolíticos, mas sim aqueles que os elegem, seja a que pretexto for.

                Por exemplo, qual o benefício ou interesse para a sociedade a eleição de um Tiririca da vida e outros que tais que por lá proliferam, a não ser a rara oportunidade de encherem os bolsos e rechearem as contas bancárias, sem contar as benesses e mordomias que são um peso morto para a sociedade?

                Será que o Lula não é culpado de tudo isso, mais o PT e a Dilma? Afinal de contas esse tal juiz Sérgio Moro parece que é “vesgo”, pois só enxerga o Lula, o PT e a Dilma. Será que não consegue encontrar um bom médico para curar esse defeito de visão? Mas, parece que é assim mesmo neste depauperado Brasil em que os bons médicos escasseiam.

                Parabéns, mais uma vez, pela sua felina e astúcia visão e conhecimento, querido Chiavenato.

 Alberto Maçorano