Após examinar ao microscópio o embrião fecundado em laboratório, o médico informou aos pais:

– Ele possui componentes genéticos que favorecerão a ocorrência futura de grave deficiência respiratória. Peço sua autorização para interferir, substituindo os genes comprometidos por outros saudáveis, doados pelos senhores.

Solicitação atendida, a substituição genética foi realizada, eliminando possível problema futuro.

Ações dessa natureza já são executadas com sucesso em experiências com cobaias. Nas próximas décadas constituirão rotina em seres humanos.

E mais: com o avanço do conhecimento sobre o comportamento das células-tronco, coringas celulares, futuramente será possível reconstituir órgãos comprometidos por doenças graves e até mesmo substituir membros amputados.

Diante desses avanços da ciência médica, a grande dúvida:

Como fica a Lei de Causa e Efeito, que dá a cada um segundo suas obras, conforme ensinava Jesus, atendendo a objetivos educativos?

Aprendemos com o Espiritismo que Deus não joga dados com seus filhos. Atendendo a planejamento ou dentro do automatismo reencarnatório, a combinação de elementos hereditários atende aos nossos compromissos de resgate.

Não é por mera falha genética que o Espírito reencarna com tendência a graves problemas respiratórios ou outro qualquer.

A Medicina jamais alcançará o prodígio de neutralizar os princípios de ação e reação que regem nossa evolução.

© Revista Reformador – Federação Espírita Brasileira 2014

Richard Simonetti
richardsimonetti@uol.com.br

Postado por Nilza Garcia, em 16/01/18, na Rede Espirit Book