São Paulo – Um abaixo-assinado pedindo o fim do auxílio-moradia para juízes já coletou 195 mil assinaturas na internet. A meta são 200 mil assinaturas.

Hospedada na plataforma change.org, a petição deve ser entregue para a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, e para outros ministros do STF: Dias Toffoli, Roberto Barroso, Celso de Mello e Marco Aurélio Mello, além do presidente, Michel Temer, e do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.

O STF deve julgar em março ações sobre auxílio-moradia da magistratura. Em 2014, o ministro Luiz Fux assegurou o direito ao benefício a todos os juízes em atividade no país. Agora, a decisão deve ser debatida e apreciada por todo o plenário.

O abaixo-assinado, aberto por Jonathas Oliveira, de Manaus, calcula o gasto da União com o auxílio a juízes em 1,5 bilhão de reais por ano.

Na verdade, a plataforma Siga Brasil atesta, sistema de informações sobre gastos públicos federais, atesta que os gastos com auxílio-moradia foram de 817 milhões em 2017 no Executivo, Legislativo e Judiciário somados (mas esse cálculo só considera os gastos em âmbito nacional, e não soma os estaduais).

Nosso comentário: é simplesmente inacreditável vivenciar Um Brasil repleto de problemas e carências de toda a ordem para a maioria da população, evidentemente, excetuando os marajás, e esses senhores darem-se ao luxo de usufruírem de uma mamata dessas e um coitado que ganha cerca de mil reais tem que pagar o aluguel do seu próprio bolso. Custa entrar na minha cabeça que isso seja possível e ainda por cima falam de “nariz empinado” como se fossem os donos da razão e do Brasil. Simplesmente se consideram acima da lei. E são alguns desses sujeitinhos que estão julgando a corrupção e a Lava Jato, como se eles estivessem completamente imunes a esse vírus. 

Não é só essa mamata, não; tem muito mais. A começar pelos próprios salários. Num país como o Brasil é um vexame, um atentado à dignidade do homem, ver esses “nababos” nadarem em dinheiro e a maioria da população lutar pela sobrevivência. Que moral têm esses senhores para julgarem quem quer que seja? O máximo que deviam ganhar seria um teto de 10 mil reais, e já estaria bom demais. Enquanto não se fizer uma autêntica revolução social para acabar com essas mordomias governamentais e políticas, o Brasil não sairá do atoleiro, do lamaçal em que se encontra. Ainda vem um Datena da vida, mostrar o lado delinquente da população, sem apontar sequer uma única alternativa. Talvez ache muito justo ele ganhar 500 mil reais e um zé ninguém vegetar neste imenso e rico país. Aí reside o “busílis da questão”. 

Para certas reformas não adianta ser muito democrático. Papo furado não resolve nada. As grandes revoluções da história foram banhadas em sangue, suor e lágrimas. Não defendo essa posição, mas em determinados momentos, quando a safadeza impera com toda a impunidade, parece que o único jeito terá que ser uma espécie de “tomada da Bastilha”…

Alberto Maçorano