Freqüentemente ouvimos de variados companheiros do movimento espírita, de diversas regiões do país, a frase que flui de forma automática de seus lábios, pela qual o conhecido espírito Emmanuel, teria afirmado que a maior caridade que se pode fazer pela doutrina espírita é a sua divulgação.Assim sendo, em nome da caridade que pensam estar fazendo pela doutrina espírita, saem por aí, falando do que desconhecem em termos de espiritismo, e espalham verdadeiros absurdos nascidos dos achismos dos que não se interessam pelo sério estudo da doutrina como nos alertou o codificador.

Como não somos partidários dessa idéia, em virtude de que não são citadas outras recomendações, como por exemplo, que se estude de forma aprofundada a doutrina antes de divulgá-la, pois, na grande maioria das vezes a doutrina espírita tem sofrido com a divulgação infundada de muitos dos seus preceitos, justamente por falta de pessoas interessadas realmente em aprendê-la como se faz preciso, que por essa mesma razão, divulgam absurdos que não fazem parte dos postulados da codificação.

Para que definitivamente seja esclarecida a forma como o benfeitor nos falou sobre o assunto, empreendemos séria pesquisa para encontrar a dita recomendação do espírito amigo, pois, esses mesmos que repetem a corriqueira frase, não citam a fonte de onde extrairam tal recomendação; e, para nossa surpresa, constatamos que a parte que trata justamente do prepara anterior ao ato da divulgação, ninguém faz qualquer menção, ou por falta de conhecimento, ou porque se citassem as recomendações anteriores não estariam autorizados a divulgá-la como normalmente fazem.

Abaixo, as palavras de Emmanuel:

“(…) Lembra-te deles, os quase loucos de sofrimento, e trabalha para que a Doutrina Espírita lhes estenda socorro oportuno. Para isso, estudemos Allan Kardec, ao clarão da mensagem de Jesus Cristo, e, seja no exemplo ou na atitude, na ação ou na palavra, recordemos que o Espiritismo nos solicita uma espécie permanente de caridade – a caridade da sua própria divulgação”. (1)

Portanto amigos, precisamos ter consciência da responsabilidade que nos cabe na divulgação do Espiritismo, pois, nem sempre a simples divulgação de seus ensinos feita de forma equivocada, é algo positivo, na maioria das vezes, torna-se um desserviço, um entrave pernicioso ao crescimento da digna e elevada mensagem consoladora de nossa abençoada doutrina.

Ouçamos o alerta do Codificador: “Melhor é repelir dez verdades do que admitir uma única falsidade, uma só teoria errônea.” Livro dos Médiuns – Cap. XX, item 230. (2)

1) Livro “Estude e Viva”
Ditado pelos Espíritos: Emmanuel e André Luiz; Psicografado por Chico Xavier e Waldo Vieira – Cap. 40 Socorro oportuno.
2) O Livro dos Médiuns – Cap. XX, item 230.

Postado por Ana Maria Teodoro Massuci, em 10/06/16, na rede Espirit Book