No ciclo de vida, 
as borboletas processam uma metamorfose completa 
em quatro fases bem definidas e bastante distintas como
ovos, larvas, crisálidas, e finalmente borboletas.
Cabe a nós, se quisermos seguir o exemplo,
distinguir qual das fases nos cai melhor.
E se decidirmos ser borboletas,
é preciso saber sempre,
como ela, que tudo é passageiro.
Cada parte, triste ou feliz da vida,
aceitemos ou não, faz parte desse ciclo.
Conscientizemo-nos então, de que tudo é passageiro
e que amanhã será um novo dia sempre….

 

Postado por Ana Maria Teodoro Massuci, em 30/11/17, na Rede Espirit Book